Artigos de apoio

aberrações cromossómicas

Aberrações cromossómicas são desvios estruturais ou numéricos da norma que afetam os genes. Também se designam por mutações cromossómicas mas os geneticistas, na sua maioria, preferem utilizar o termo mutação para referir a alteração qualitativa no gene referente a uma informação.
Apesar da incrível precisão com que acontece a meiose, aberrações cromossómicas podem ocorrer. Algumas trazem grandes benefícios económicos para a agricultura. Infelizmente são também responsáveis por muitas malformações genéticas nos humanos. Calcula-se que cinco em cada mil humanos nascem com defeitos genéticos graves atribuídos a anomalias cromossómicas. Um grande número de embriões com defeitos cromossómicos aborta espontaneamente, antes de atingir o seu completo desenvolvimento.
Alterações no número de cromossomas são denominadas euploidia quando há a adição ou deleção de grupos inteiros de cromossomas e aneuploidia quando um único cromossoma é adicionado ou subtraído a um grupo diploide.
Os casos mais vulgares de euploidia é a poliploidia, pela adição de um ou mais cromossomas suplementares. Estas aberrações são muito mais comuns nas plantas que nos animais. Os animais são muito menos resistentes às aberrações cromossómicas porque a determinação do sexo requer um determinado equilíbrio entre o número de cromossomas sexuais e autossomas. Muitas espécies de plantas de cultivo são poliploides, como, por exemplo, o algodoeiro, macieiras, a aveia, o tabaco, etc., e cerca de 40% de plantas florais foram originadas desta maneira. Os horticultores favorecem a poliploidia e muitas vezes tentam desenvolvê-la experimentalmente para obter plantas mais intensamente coloridas e de crescimento vegetativo mais vigoroso.
A aneuploidia é usualmente provocada pela incapacidade de os cromossomas se separarem durante a meiose (não-disjunção). Se um par de cromossomas não se consegue separar durante a primeira ou segunda divisão meiótica, os dois cromossomas vão para um só polo e não vai nenhum para o outro. Daqui resulta que um gâmeta tem menos um cromossoma e outro gâmeta tem mais um cromossoma de que a norma. Se o gâmeta com menos um cromossoma (n-1) é fecundado por um gâmeta normal, resulta um ser monossómico. A sobrevivência é rara porque a falta de um cromossoma implica um desequilíbrio da informação genética. A trissomia, resulta da fecundação de um gâmeta normal e um gâmeta com mais um cromossoma (n+1). É muito mais comum, e várias espécies de trissómicos são conhecidas nos humanos. A mais vulgar é a trissomia 21 ou síndroma de Down, também conhecida por mongolismo. Esta trissomia implica um cromossoma 21 extra combinado com o par de cromossomas 21 e é causada pela não disjunção durante a meiose. Ocorre espontaneamente embora a sua formação aumente com a idade da mãe. É 40 vezes mais provável numa mulher com mais de 40 anos do que numa mulher entre os 20 e os 30 anos.
As aberrações estruturais implicam grupos de genes de um cromossoma. Uma porção do cromossoma pode ser revertida, colocando a seriação normal dos genes por ordem inversa (inversão); cromossomas homólogos podem trocar secções (translocação); blocos inteiros de genes podem ser perdidos (deleção) ou uma porção extra de um cromossoma pode ligar-se a um cromossoma normal (duplicação). Estas alterações estruturais geralmente não produzem alterações fenotípicas. As duplicações, embora raras, são importantes para a evolução porque fornecem informação genética adicional que pode capacitar para novas funções.
Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-19 10:45:29]. Disponível na Internet: