Artigos de apoio

adivinha

Termo que designa um enunciado breve (sobre algo conhecido) que apela a uma resposta, contida no enunciado de forma enigmática e cifrada, de modo a não possibilitar ao destinatário a identificação rápida do referente. A adivinha, proveniente da literatura de transmissão oral, é transmitida, geralmente, pela fala e a sua autoria é anónima, pertencendo assim ao património coletivo.
A adivinha portuguesa apresenta uma estrutura tripartida: fórmula de introdução, corpo central; fórmula de conclusão.
As fórmulas introdutórias e conclusivas exercem, geralmente, uma função acessória e correspondem a expressões estabelecidas, com o objetivo do destinatário reconhecer o jogo da adivinha. Como fórmulas introdutórias destacamos "Que é, que é" ou "Qual é a coisa, qual é ela" e como fórmulas conclusivas, de menor ocorrência, "Não adivinhas/ nem daqui a um mês" ou "Adivinha, bacharel", cujo propósito é desestabilizar a confiança psicológica do interrogado, submetendo-se este a uma ridicularização pública caso falhe a resposta. De salientar que a ausência destas fórmulas não impede de reconhecer o enunciado como adivinha, dado que é no corpo central que se apresenta o enigma.
No corpo central do enunciado, são utilizados vários recursos que numa sugestão de facilidade, procuram enganar e iludir o recetor da advinha. Assim, pode empregar-se, entre outros recursos, o clássico jogo de palavras ou o uso das potencialidades fónico-semânticas da língua ("Uma meia meia feita, / outra meia por fazer; / diga-me lá, ó menina, / quantas meias vêm a ser?"); a resposta integrada na pergunta ("Quanto pesa um quilo de algodão?"); o jogo do género gramatical ("Fêmea sou de nascimento, / macho me fizeram ser; / hei de morrer afogado / pra fêmea tornar a ser"); uma estrutura narrativa, apresentando um argumento logicamente encadeado ("Uma casa edifiquei / onde viver cuidei. / Cuidando que era segura, / foi tal a minha ventura; / numa donzela me formei, / saí por uma janela, / à morte me entreguei").
A maior parte dos enunciados apresenta uma estrutura versificada, na qual se constatam as preocupações com a métrica, ritmo e rima. Verifica-se a presença de vários recursos estilísticos a nível semântico, como metáforas, comparações, antíteses, paradoxos, entre outros; a nível fónico, como aliterações, assonâncias; a nível morfossintático, como repetições, arcaísmos, parataxe.
Relativamente à classificação das adivinhas, os tratadistas propõem dois métodos: a ordenação alfabética, a partir das respostas das adivinhas compiladas, ou a organização segundo as relações do homem com o meio circundante.
Das várias coleções de adivinhas portuguesas salientamos algumas obras como Passatempo Honesto de Enigmas e Adivinhações (1603) de Francisco Lopes, As Adivinhas Populares (1881) de Teófilo Braga, Cal é Coisa? Cal é Ela? (1920) de Maria Valverde, Adivinhas Portuguesas (1957) de Manuel Viegas Tomás Pires, Adivinhas Populares Portuguesas (1988) de Viale Moutinho.
Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-21 12:04:33]. Disponível na Internet: