Artigos de apoio

Amos Oz

Escritor israelita, nascido a 4 de maio de 1939, em Jerusalém, com o nome Amos Klausner, afirmou-se como um dos mais importantes homens de letras do mundo com obras como Uma História de Amor e Trevas, assim como se destacou pelo seu papel na busca de uma solução de paz para o conflito israelo-palestiniano.
Amos Klusner, filho de um casal de judeus de Odessa (Ucrânia) que chegou à Palestina em 1933, adotou o nome Amos Oz quando foi viver para o Kibbutz Hulda em 1954. Seis anos mais tarde, foi estudar Literatura e Filosofia para a Universidade Hebraica de Jerusalém, onde se licenciou em 1963. Durante esse período escreveu e publicou os seus primeiros contos.
O seu primeiro livro Where the Jackals Howl, composto por contos, foi lançado em 1965, seguido do romance Elsewhere, Perhaps (1966) e de My Michael (1968), que chegou a Portugal com o título O Meu Michael. Posteriormente foram publicados em Portugal romances como Conhecer Uma Mulher (To Know a Woman), A Caixa Negra (Black Box), Não Chames à Noite Noite (Don't Call It Night), Uma Pantera na Cave (A Panther in the Basement) e O Mesmo Mar (The Same Sea).
Uma das obras mais notáveis de Amos Oz, a autobiografia - relativa à infância e à juventude - Uma História de Amor e Trevas (A Tale of Love and Darkness), de 2003, foi lançada em Portugal em 2007, assim como a coletânea de ensaios Contra o Fanatismo.
Desde 1991 que Amos Oz integra a Academia de Letras Hebraicas. Em 1992 recebeu o Prémio da Paz da Feira do Livro de Frankfurt e o Prémio Israel de Literatura, o mais importante do seu país de origem.
Em 1998 recebeu o Prémio Fémina, um dos mais importantes galardões literários de França, e, seis anos mais tarde, o Prémio Internacional Catalunha e o Prémio de Literatura do jornal alemão Die Welt, este último relativo à obra Uma História de Amor e Trevas.
Em 2005 foi galardoado com o Prémio Goethe de Literatura, também na Alemanha, e, dois anos mais tarde, foi distinguido em Espanha com o Prémio Príncipe das Astúrias das Letras.
Paralelamente à carreira de escritor, Amos Oz é ensaísta, escrevendo regularmente para algumas das mais importantes publicações mundiais, nomeadamente sobre o conflito israelo-palestiniano.
Tornou-se também professor catedrático de Literatura Hebraica Moderna na Universidade Ben Gurion, em Israel.
Depois de ter participado na Guerra dos Seis Dias (1967) e na Guerra do Yom-Kippur (1973) foi um dos fundadores, em 1978, do movimento pacifista israelita Paz Agora, tornando-se um empenhado ativista pela paz. Defende, nomeadamente, a criação de dois estados, Israel e Palestina, para pôr fim à situação de conflito.

1

2

3

4

5