Artigos de apoio

bioconcentração

Os ecologistas utilizam muitas vezes as pirâmides ecológicas para mostrar como as substâncias químicas tóxicas existentes no meio podem ser gradualmente concentradas nos organismos.
A bioconcentração de um químico tóxico pode atingir níveis tão elevados que pode matar o organismo. A bioconcentração pode também influenciar a acumulação biológica de substâncias químicas nos organismos que constituem a cadeia alimentar. A ampliação biológica condensa nos organismos do fim da cadeia alimentar (o nível trófico, mais elevado) níveis de substâncias químicas potencialmente perigosas. A utilização do DDT como pesticida dá um exemplo de bioconcentração e de ampliação biológica simultâneas. O DDT é um produto químico lipossolúvel e portanto só se acumula na gordura do corpo dos organismos (bioconcentração). O escoamento das águas dos terrenos onde o DDT foi utilizado na agricultura mistura-se com as fontes locais de água. Pequenos seres, por exemplo do zooplâncton, bioconcentram o DDT nas suas regiões com gordura.
O zooplâncton é comido por pequenos peixes, que são comidos por peixes maiores, que poderão ser comidos por aves que também acumulam DDT. A combinação da bioconcentração e a acumulação biológica tem como consequência concentrações que são alguns milhões de vezes maiores nas aves que se alimentam de peixes do que na água. Tal acumulação tem restringido a reprodução de muitas aves, incluindo falcões peregrinos, águias-pesqueiras, pelicanos, etc., devido à redução da deposição de cálcio na casca dos seus ovos. Sem uma forte e protetora casca, os ovos das aves quebram-se facilmente e poucos embriões sobrevivem.

1

2

3

4

5