Artigos de apoio

Conferência de Bretton Woods

As negociações para o estabelecimento de um Sistema Monetário Internacional (SMI) começaram, entre os Estados Unidos da América e o Reino Unido, ainda no decorrer da Segunda Guerra Mundial, em julho de 1944. Os dois países tentaram estabelecer um padrão comum, perante o qual seriam definidos os valores das moedas nacionais. Chegados a um acordo, definiram o ouro-dólar como esse padrão. O ouro era um metal precioso cujo valor não sofria grandes flutuações e o dólar foi escolhido porque, no final da guerra, a economia norte-americana era considerada a mais estável.
O acordo de Bretton Woods teve como objetivos principais promover a cooperação internacional através das instituições monetárias, facilitar a expansão do comércio internacional, implementar a estabilidade dos câmbios e contribuir para a instituição multilateral de pagamentos. Deste acordo resultou também o estabelecimento do Fundo Monetário Internacional (FMI), destinado a assegurar os mecanismos de apoio financeiro necessários à estabilidade do SMI.
O acordo assentava em três bases fundamentais: a convertibilidade de todas as moedas que participam no SMI, a paridade das moedas e o equilíbrio das balanças de pagamentos.
O sistema de Bretton Woods funcionou com sucesso até aos anos 60, altura em que surgiram os primeiros problemas. A principal causa da crise ficou a dever-se à instabilidade do dólar norte-americano. Os estados-membros aperceberam-se de que o dólar já não podia servir como padrão comum. Em 1970, a crise económica e política dos EUA levou ao colapso definitivo do sistema instituído em Bretton Woods.
Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-21 01:05:47]. Disponível na Internet: