Artigos de apoio

estanho

O estanho (Sn) é um elemento químico metálico, bi ou tetravalente, de cor branco-argentêa, maleável, dúctil e macio, que se localiza no grupo 14 e período 5 da Tabela Periódica.
Possui número atómico 50 e massa atómica 118,710.
O estanho é conhecido anteriormente ao nascimento de Cristo (cerca de 2100 a. C.).
O nome estanho deriva do latim stannum.
Este encontra-se puro na Natureza em pequenas quantidades, para além de se encontrar sob a forma de cassiterite ou pedra de estanho (SnO2) na Bolívia, Malaca e Indonésia.
Para a obtenção do estanho, calcina-se este mineral (cassiterite) em contacto com o ar, para assim eliminar as impurezas que contém, como enxofre e arsénio. Em seguida, reduz-se a estanho metálico pelo aquecimento com coque. O estanho bruto assim obtido tem ainda muitas impurezas, tais como o ferro. Para o separar deste, tira-se partido do facto de o ferro ter um ponto de fusão muito mais elevado do que o estanho. Aquece-se o estanho bruto um pouco acima do ponto de fusão do estanho puro; este funde e escorre sobre uma superfície inclinada, enquanto o ferro fica em forma de uma liga mais difícil de fundir.
O estanho pode laminar-se em folhas muito finas, designadas por papel de estanho. Aparece em várias modificações cristalinas. Ao arrefecer após a fusão, o estanho solidifica habitualmente na forma b. Formam-se cristais relativamente grandes e visíveis quando a superfície do sólido é tratada com ácido clorídrico.
Abaixo de 13,2 ºC forma-se o estanho a (pó cinzento). A transformação de estanho b em estanho a dá-se lentamente.
O estanho é bastante resistente ao ar e aos ácidos fracos. Utiliza-se, por isso, para a galvanização eletrolítica da chapa de ferro. A delgada camada de estanho protege a chapa de ferro da oxidação. Ainda que apareçam pequenas fendas na camada de proteção, o ferro não se oxida porque o estanho apresenta um potencial normal eletroquímico maior de que o do ferro.
O estanho utiliza-se também em diferentes ligas, sobretudo com chumbo e cobre. Juntando 30% a 60% de chumbo, obtém-se uma liga de baixo ponto de fusão, utilizada para soldar. Ligas com 70% de antimónio e um pouco de cobre utilizam-se nos chamados metais antifricção, com os quais se fabricam chumaceiras para eixos de máquinas.
Os copos e os pratos de estanho, a que se junta antimónio e chumbo, eram muito usados antigamente. Ainda hoje se fabricam recipientes de estanho, mas evita-se a adição de chumbo, devido à sua toxicidade.

Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-22 06:19:19]. Disponível na Internet: