Artigos de apoio

Hipócrates

Sabe-se muito pouco sobre a verdadeira vida de Hipócrates. Segundo dados dispersos por algumas obras de Platão e de outros autores, Hipócrates terá nascido na ilha grega de Cós em 460 a. C. e morrido em Larisa, Grécia, em 377 a. C. Apesar de muitos destes dados estarem relacionados com lendas, o que é facto é que Hipócrates foi, sem qualquer dúvida, o mais célebre médico da Grécia antiga, tendo-lhe sido atribuído (ou à sua escola de Cós) a autoria de uma coleção de obras, Corpus Hippocraticum, com cerca de 60 livros e monografias. Este trabalho notável de sistematização apoia-se numa observação cuidadosa dos sintomas das doenças e abarca vários domínios dos conhecimentos médicos da época, que vão desde a anatomia até à fisiologia, passando pelas doenças psíquicas.
Hipócrates procurou basear a Medicina na experiência clínica, introduzindo um tipo de racionalidade lógica e rompendo, deste modo, com a prática da medicina da sua época que se apoiava na magia e na religião. Uma das suas mais célebres contribuições foi a teoria dos humores. Para os antigos gregos existiam quatro tipos fundamentais de fluidos: sangue, linfa, bílis negra e bílis amarela.
Segundo Hipócrates, cada humor estaria intimamente relacionado com um órgão e com o fluido que esse mesmo órgão produzia, e a personalidade de um indivíduo resultaria do tipo de fluído que predominasse no seu organismo.
Teríamos, deste modo, a seguinte classificação: sangue -- coração, personalidade do tipo sanguíneo; linfa -- cérebro, personalidade do tipo linfático; bílis amarela -- fígado, personalidade do tipo bilioso; bílis negra -- baço, personalidade do tipo melancólico.
Ainda que incompleta, esta teoria de classificação das personalidades perdurou durante vários séculos e chegou até nós, popularizando-se através do senso comum, levando muitas pessoas a afirmar, ainda hoje, que determinados indivíduos têm um tipo de personalidade muito sanguíneo ou melancólico. No entanto, importa salientar que Hipócrates rompeu com a visão sobrenatural da época, atribuindo uma génese orgânica a aspetos psíquicos dos indivíduos e inter-relacionando uma causa biológica com um tipo de personalidade. A sua importância na medicina é comparada à importância que Sócrates teve para a filosofia e o facto de ter consagrado uma parte importante do seu trabalho às doenças psíquicas levou diversos autores contemporâneos a considerarem que Hipócrates teve um papel fulcral no aparecimento e desenvolvimento da psicologia.Atribui-se ainda a Hipócrates a autoria do famoso juramento que os médicos fazem aquando da sua cerimónia de formatura e no qual se comprometem, entre outros aspetos, a defender a prática médica e a exercer a sua arte com dedicação, ética e honestidade.

1

2

3

4

5