Artigos de apoio

Igreja e Mosteiro de S. Vicente de Fora

Este mosteiro de invocação ao mártir S. Vicente foi construído fora das velhas muralhas, em 1147, após a conquista de Lisboa e na sequência de um voto feito por D. Afonso Henriques durante o cerco. Este monarca doou-a à regra de Santo Agostinho, que escolheu para primeiro abade do mosteiro o flamengo D. Gualtero. Através dos tempos, estes frades alcançaram privilégios vários, sendo igualmente alvo das generosas dádivas dos monarcas, ávidos de apaziguar inquietações profundas (D. Dinis, por exemplo, instituiu uma capela com a invocação de N. Sra. de Guadalupe). Em meados de Quinhentos foi a residência escolhida pelo arcebispo de Lisboa, D. Fernando de Vasconcelos, e no século XVIII albergou a Patriarcal (de 1773 a 1792) enquanto duravam as obras da Sé. De 1834 até à implantação da República serviu de Paço Patriarcal e residência do cardeal. Finalmente, em 1910, o Estado tomou conta do edifício.A primeira construção românica surge no local que albergou os exércitos de cruzados em luta no cerco, facto este que indubitavelmente esteve na origem da determinação de D. Afonso Henriques em mandar abrir um cemitério. Sofrendo modificações na época gótica, foi destruído no século XVI. Filipe II mandou construir em 1582 o atual edifício, cujas obras se arrastaram por mais de um século, embora a igreja tenha sido inaugurada em 1629. O projeto nasceu, ao que se supõe, da mão de Filipe Terzi, que poderá ter tido o suporte do arquiteto do Escorial de Madrid, Herrera, sucedendo-se outros nomes importantes do nosso património arquitetónico: Leonardo Torriano, Baltasar Álvares, Pedro Nunes Tinoco e sobretudo João Nunes Tinoco, entre outros.A construção de branca alvenaria destaca-se pelo harmonioso equilíbrio de proporções, robustez, singeleza e grandiosidade imponente, imbuídas do mais puro espírito maneirista. Na fachada, três arcos de volta perfeita, sobrepujados por três nichos escavados com remate de frontão triangular, são ladeados por outros dois nichos com remate de frontão curvilíneo com os topos rasgados por aberturas retangulares. A gramática decorativa, simétrica e de grande simplicidade, é marcada pela cadência ritmada de pilastras definidoras de grandes vãos. No andar superior, três grandes janelões centrais - sobrepujados alternadamente por frontão curvo, triangular e curvo - são ladeados por nichos escavados, enquadrados por frontão triangular e continuados por robustas torres sineiras rematadas por pequenas cúpulas-lanternim. Os nichos são enriquecidos por esculturas seiscentistas - S. Vicente, Sto. Agostinho e S. Sebastião, enquadrados nos ângulos por Sto. António e S. Domingos de Gusmão, no piso térreo; no piso superior, os nichos dão corpo a S. Norberto e a S. Bruno. A casa conventual insere-se na fachada sul, onde se rasga o volumoso portal barroco inicial que conduz à portaria e claustros, encimado por escudo real e emoldurado inferiormente por acrotérios de perfis bojudos escalonados. No resto desta fachada sucedem-se elegantes janelas seiscentistas de gradeamento.Ao penetrar no templo tem-se, de imediato, a perceção das insígnias de S. Vicente e de S. Sebastião, inscritas nos capitéis das pilastras do vestíbulo (palmas e setas).
O corpo, de nave única, é de excecionais dimensões (73 x 28 metros), abobadado por berço simples com caixotões moldurados em mármores policromos (branco e cinzento) sobre fundo rosado. Nas capelas laterais, também forradas de mármores com embrechados moldurados, destaca-se a de N. Sra. da Conceição (1698), que sabiamente conjuga mármore com mosaicos policromos.
O altar da capela-mor, encomendado por D. João V, veicula uma gramática imponente, realçada pelo baldaquino que o sobrepuja e pelas monumentais esculturas que o ornamentam, filiadas na Escola de Mafra, em madeira pintada a branco, figurando S. Vicente, Santa Mónica, Sto. Agostinho e S. José (grupo do flanco esquerdo); S. Sebastião, S. Frutuoso, S. Teotónio e a Virgem (flanco da direita). S. Vicente e S. Sebastião são atribuídos a Manuela Vieira, responsável pela elaboração dos anjos escultóricos das portas do coro.A portaria ostenta belíssimos azulejos do início do século XVIII, alusivos à tomada de Lisboa e Santarém, e retratos fantasiados de soberanos portugueses ligados a este mosteiro. Possui ainda teto com pintura perspetivada onde se conta o "Triunfo da Igreja contra os Maniqueus", de Vicente Baccareli (1710). A sacristia é como que um enclave entre os dois claustros e foi engrandecida pela mão de importantes artistas como Laprade (1682-1738), cujo cunho artístico sobressai na parceria do portal barroco. É no conjunto obra do século XVIII, de inspiração italianizante na conceção e escolha dos materiais (mármores policromos). Destacamos o busto de D. João V emoldurado por banda circular e o painel do altar, de André Gonçalves, figurando a Assunção da Virgem. Os claustros possuem decorativos silhares de azulejo setecentista e dão acesso ao Panteão dos Braganças, fundado por D. Fernando II após a morte de D. Maria II.

1

2

3

4

5