Artigos de apoio

impostos indiretos

No sentido de financiarem as despesas em que têm necessidade de incorrer, os estados utilizam, entre outras fontes de obtenção de fundos, os impostos. Estes correspondem a contribuições obrigatórias e sem contrapartida direta efetuadas pelos agentes económicos de uma determinada economia, designadamente pessoas singulares e pessoas coletivas.
Existem vários tipos de impostos, de acordo com a classificação que for utilizada, que por sua vez pode partir de vários critérios diferenciados. Do ponto de vista económico, é habitual fazer-se a diferenciação entre impostos diretos e impostos indiretos. Habitualmente, referem-se também como impostos sobre o rendimento os impostos diretos e como impostos sobre a despesa ou consumo os impostos indiretos, embora haja algumas diferenças em termos de abrangência, dado que os impostos sobre o rendimento incluem-se dentro dos diretos e os de consumo ou despesa dentro dos indiretos. O que diferencia os impostos diretos dos indiretos é o objeto da tributação que, nos primeiros, corresponde ao rendimento obtido pelos agentes num determinado período (sendo o imposto efetivamente suportado por esses agentes), enquanto nos segundos corresponde às operações, genericamente de consumo e despesa, por eles efetuadas (havendo ainda a possibilidade de repercussão, em alguns casos, do imposto a pagar para fases a jusante do ciclo económico dos produtos e serviços que são alvo do referido consumo ou despesa).
Normalmente, na ótica dos estados, podem ser identificadas algumas vantagens dos impostos indiretos face aos diretos: implicam uma menor resistência psicológica dos contribuintes; pelo efeito antes referido, a propensão à fraude fiscal é menor nos impostos indiretos; também pelo referido, implicam a afetação de menos meios técnicos e humanos, designadamente em termos de fiscalização; a determinação da matéria coletável é mais fácil (a partir do valor dos bens ou serviços).
Em contrapartida, são normalmente consideradas desvantagens dos impostos indiretos as seguintes: incidem de igual forma sobre todos os agentes, não distinguindo por posse de rendimento; estão mais propensos a abusos por parte dos governos.
O principal imposto indireto em Portugal é o IVA - Imposto sobre o Valor Acrescentado, que tributa a grande maioria das despesas de consumo. Como o próprio nome indica, o IVA incide sobre o valor acrescentado criado em cada elo da cadeia económica de um determinado produto ou serviço, através da tributação das empresas que constituem esses mesmos elos, que repercutem sucessivamente o valor do imposto de forma que este acaba por ser pago pelo consumidor final.
Para além do IVA, são também impostos indiretos o Imposto sobre os Produtos Petrolíferos, o Imposto Automóvel, etc.

Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-22 06:20:23]. Disponível na Internet: