Artigos de apoio

Movimento dos Sem-Terra

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra nasceu da luta que, isoladamente, muitos camponeses da Região Sul do Brasil foram desenvolvendo pela conquista da terra desde o final da década de 70. O país vivia, nessa altura, um período de abertura política, depois do desaparecimento do regime militar. A política rural vivia extremas contradições; a concentração capitalista da terra, a expulsão dos pobres da área rural, as dificuldades de modernização da agricultura acentuavam o êxodo para os centros urbanos. Nesse contexto, em diversas regiões do Brasil, surgiram determinados focos de luta que, a pouco e pouco, se foram articulando. Dessa articulação partiu a delineação e a estruturação do Movimento dos Sem-Terra, tendo como principais núcleos coordenadores o acampamento da Encruzilhada Natalino, em Ronda Alta - RS e o Movimento dos Agricultores Sem Terra do Oeste do Paraná (Mastro).
Segundo os seus dirigentes, o Movimento Sem Terra visava cumprir três grandes objetivos: promover a reforma agrária e a constituição de uma sociedade mais justa e, acima de tudo, pôr em prática um plano de expropriação das grandes áreas agrícolas concentradas nas mãos de empresas multinacionais, que acabasse com os latifúndios improdutivos e com a definição de uma área máxima de hectares para a propriedade rural.
O movimento tornou-se cada vez mais abrangente. Lutou contra os fracassados projetos (apoiados pelo Governo) de colonização, passou a exigir uma política agrícola voltada para o pequeno produtor, defendeu a autonomia das zonas indígenas e manifestou-se contra a apropriação das suas terras por parte dos grandes latifundiários, propôs ainda a distribuição democrática da água nas zonas de irrigação do Nordeste, um aspeto que considerava fundamental para a manutenção dos agricultores dessa região.
Os partidários deste movimento lutavam igualmente pela punição dos assassinos de trabalhadores rurais (que acusavam muitas vezes de estar a soldo dos grandes fazendeiros) e defendiam a cobrança de um Imposto Territorial Rural, destinado a financiar a desejada reforma agrária.
Buscando as suas raízes nas lutas do período colonial (contra as intrusões dos Bandeirantes), do século XIX (como o movimento dos Canudos, do Contestado ou o do Cangaço) e da ditadura militar, onde líderes de grupos como as Ligas Camponesas, a União dos Lavradores e Trabalhadores Agrícolas do Brasil e o Movimento dos Agricultores Sem Terra (Master) foram presos e assassinados, o atual Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) organizou-se oficialmente em 1984, na altura em que se realizou o primeiro encontro interestadual de pequenos agricultores.
Hoje encontra-se estabelecido em 22 estados do Brasil. De 1984 até 1996 julga-se que o movimento proporcionou a conquista de terra a cerca de 140 mil famílias que habitualmente estão organizadas em cooperativas de produção - cerca de 60 encontram-se associadas à Confederação das Cooperativas de Reforma Agrária do Brasil (Concrab).
Segundo dados estatísticos da FAO, o rendimento destes trabalhadores aumentou de forma notória. O MST, para além disso, demonstra algumas preocupações com a elevação da sua qualidade de vida; neste sentido, tem financiado programas de educação para aumentar a taxa de escolarização entre os membros do mundo rural. Com o apoio da UNICEF, mais de 38 mil estudantes e cerca de 1500 professores desenvolvem uma experiência educacional em que todos depositam grandes esperanças.

1

2

3

4

5