Artigos de apoio

poliquetas

Classe de animais do filo anelídeos constituída por mais de 10 000 espécies, a maioria das quais marinhas. São os anelídeos que mostram uma maior radiação adaptativa no que se refere à forma do corpo, hábitos alimentares e habitats ocupados. Os marinhos distribuem-se desde a zona intermarés até às profundidades abissais. Embora a maioria deles tenha um comprimento compreendido entre os 5 e 10 centímetros, alguns medem menos de um milímetro e outros podem medir mais de três metros. Alguns apresentam cores vivas de vermelho e verde e outros são baços ou iridiscentes.
Possuem numerosas sedas dispostas sobre apêndices musculares laterais do corpo, denominados parápodes.
Os poliquetas compreendem algumas espécies que, na atualidade, são consideradas como os anelídeos mais primitivos. Os poliquetas ancestrais provavelmente caracterizavam-se por possuir o corpo com segmentos idênticos e eram escavadores ou deslocavam-se no substrato e alimentavam-se de pequenas partículas. Estas características primitivas encontram-se em alguns poliquetas de vida livre. Os poliquetas tubícolas sedentários são os mais evoluídos.
A estrutura básica de um poliqueta está representada por um poliqueta que vive livre, o nereide (Neanthes virens), que é um poliqueta típico que vive próximo da linha da maré baixa. De dia esconde-se debaixo das pedras ou numa galeria temporária, só com a cabeça de fora. De noite arrasta-se sobre a areia ou nada serpenteando lateralmente o corpo. Os indivíduos maiores podem atingir 45 centímetros de comprimento.
Alguns constroem os seus próprios tubos a partir de grãos de areia, bocados de conchas ou outros materiais que são ligados e consolidados por um muco por eles segregado.
Os sexos são geralmente separados, embora a maioria dos poliquetas sejam semelhantes na idade adulta.
Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-19 20:57:24]. Disponível na Internet: