Artigos de apoio

Sedentarização e Primeiros Núcleos Urbanos

De uma forma geral, os primeiros locais de assentamento de tipo "sedentário" foram de cariz agrícola, formados por pequenas aldeias de 100 ou 200 indivíduos. Não obstante, e quando as condições eram favoráveis, a população podia incrementar-se notavelmente, como ocorreu no caso de Jericó, que ocupava uma área de cerca de 30 hectares e onde, já no ano de 7000 a. C., existia uma fortificação que circundava o centro urbano.
Alguns milénios depois ocorreu uma outra transformação fundamental. Em diferentes partes do Mundo, surgiram aldeias e cidades formando centros de população com uma área variável, desde 76 hectares, no caso de algumas cidades de Sumer, até ao ano 2500 a. C, de 23 km2 para a grande cidade de Nínive, 2000 anos depois, ou 21 km2 para Teotihuacan, no México, 1000 anos mais tarde, em torno do ano 600 d. C. Estes novos locais não eram somente grandes aglomerados populacionais. Tratava-se de sociedades de um novo perfil, com um governo central muito organizado.
Entre as grandes civilizações que surgiram nesses primeiros tempos há que referir os Sumérios da Mesopotâmia (c. 3000 a. C.), os Egípcios do vale do Nilo (c. 3000 a. C.) e a civilização do vale do Indo (posterior a c. 2700 a. C.), bem como a civilização Shang, na China (antes de c. 1500 a. C.) e a civilização minoica em Creta (c. 2000 a. C.), enquanto no Novo Mundo surgia a civilização olmeca, no México (a partir de c. 1000 a. C.) e a de Chavín, no Peru (até 900 a. C).
Como referenciar: in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2014. [consult. 2014-12-23 01:33:46]. Disponível na Internet: