Artigos de apoio

texto expositivo-argumentativo

O texto expositivo-argumentativo procura defender uma tese, apresentando dados e observações que a confirmem. Este discurso, onde se valoriza a capacidade de apreensão, de construção e de expressão de argumentos, é constituído por uma ideia principal confirmada por dados e razões que defendem a opinião emitida. Consente, por isso, a possibilidade de se polemizar em torno de uma questão e de se recorrer a outros referentes como suporte da estratégia de argumentação.
O texto argumentativo procura defender uma tese, apresentando dados e observações que a confirmem. Deve expor com clareza e precisão as razões que levam à defesa de uma opinião sobre o tema.
Convém, na construção do texto, ser concreto e objetivo, evitando pormenores desnecessários; fazer raciocínios corretos e claros, incidindo no que é importante; evitar argumentos pouco explícitos.
Desde a antiguidade, a filosofia e a política recorreram à argumentação, discutindo e aduzindo razões para fazerem valer as suas ideias e opiniões. Os sofistas eram mestres da fala; Sócrates ouvia e apresentava objeção aos argumentos; Aristóteles dizia que se conhecer era formar proposições (afirmações), tornava-se necessário examinar os modos como elas eram construídas; através de "silogismos" (raciocínios) procurava encadear as proposições (premissa maior e premissa menor) até formar o conhecimento (conclusão). Na época medieval, a argumentação partia de uma disputa que exigia a formulação de um problema e argumentos a favor e contra, uma solução e respetiva fundamentação e, por fim, respostas às objeções encontradas ou supostas. Nos nossos dias, a argumentação ainda utiliza regras desta arte filosófica.

1

2

3

4

5