A Fome de Camões

Poema de Gomes Leal, que se inscreve na atmosfera de comemoração do terceiro centenário da morte de Camões, em 1880, e que remete intertextualmente para o poema Camões de Almeida Garrett, já no próprio título, já na temática do poeta incompreendido e da pátria decadente. Discorrendo amplamente sobre a maldição do "Génio", Gomes Leal exclama: "O Génio é um arcanjo refulgente / Que enrista a lança contra a escura Sorte, / (...) / Para o Vulgo, porém vil inclemente, / E o Destino, esse cego antigo e forte, / É um guerreiro trágico e proscrito, / E a fronte tem como um luar maldito...".
Como referenciar: A Fome de Camões in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-05-25 00:18:01]. Disponível na Internet: