Artigos de apoio

A Musa Irregular
A Musa Irregular reúne a obra poética completa do autor, coligindo volumes editados, dispersos e inéditos. No trajeto poético coberto pela coletânea, as obras compostas durante e sob o efeito da experiência da guerra colonial têm um papel fundamental na instituição de um sujeito poético que, sobre um fundo de dor e revolta, desenvolverá estratégias de conservação como o distanciamento irónico ou o humor. A situação limite da guerra, limiar da vida, da humanidade e da própria identidade, impõe um esforço de autocontrolo e de resistência contra a desintegração psíquica ("Abençoado o meu domínio / sobre os nervos desfeitos, shazam!", "Rascunhos e Fragmentos") que marcará a sua escrita poética enquanto recusa de cedência ao lirismo angustiado: "não posso deixar que a tristeza / sujeite estes versos. [...] não me vou deixar / transformar num poeta azedo." ("Animais de Fogo"). Colada à experiência e ao vivido, a poesia de Fernando Assis Pacheco reclama-se de uma total liberdade e opõe-se a qualquer tipo de experiência literária profissionalizada ou institucionalizada ("É favor não pedirem a esta poesia / que faça jeito às alegadas tendências / do tempo nem às vãs experiências / que sempre a deixaram de mão fria", "Soneto contra as Pesporrências"), não se coibindo de tocar conscientemente os limites do antilirismo, deixando-se embeber pelo prosaico e desenvolvendo um trabalho de subversão gramatical. A singular combinação de traços como a denúncia de alienações coletivas, as pausas líricas para a evocação de afetos e vivências (o pai, a filha, os amores de Coimbra), a declarada "educação maneirista" que acentua o rigor compositivo, a pluralidade de registos, a abertura a uma vanguarda com uma postura subjetiva conferem a A Musa Irregular uma estatuto singular na poesia da segunda metade da época contemporânea.
Como referenciar: A Musa Irregular in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-07-24 14:06:49]. Disponível na Internet: