A Vida de Brian

Comédia britânica realizada em 1979 por Terry Jones, escrita e protagonizada pelo famoso sexteto conhecido como Monty Python: Graham Chapman, John Cleese, Terry Gilliam, Terry Jones, Eric Idle e Michael Palin. Foi a segunda longa-metragem do grupo, tendo como título original Monty Python's Life of Brian e a mais controversa - considerada sacrílega e escandalosa por satirizar a vida de Cristo e diversos episódios bíblicos.
A história traça uma vida paralela à de Jesus. Neste caso, a de Brian Cohen (Graham Chapman). Confundindo-o com o Messias, os "Três Homens Espertos" levam-lhe à manjedoura os seus presentes. Contudo, quando reparam que se enganaram, trazem de volta o ouro, incenso e mirra e devolvem-nos ao verdadeiro Jesus. Cerca de 30 anos mais tarde, encontramos Brian a viver na Palestina como um zé-ninguém - até que se junta à Frente Popular da Judeia. Depois de ganhar a confiança do líder Reg (John Cleese), participa na tentativa de rapto da mulher de Pôncio Pilatos. O plano falha, mas Brian, apesar de conseguir escapar a Pilatos, acaba por reunir inadvertidamente uma enorme multidão que acredita que ele é o Messias. Os Romanos apanham-no e crucificam-no. Apesar de terem muitas oportunidades, ninguém salva Brian da cruz.
Esta paródia bíblica fez à Roma Antiga aquilo que Monty Python and The Holy Grail (Monty Python e o Cálice Sagrado, 1975) fez à Idade Média, ou seja, transformou-a num mundo louco e hilariante. Logo no ano de estreia, o filme gerou enorme celeuma - para gáudio dos Monty Python, nomeadamente criticado pela Igreja Católica como blasfemo e proibido em alguns países. Tudo isso só contribuiu para que se transformasse rapidamente num clássico de culto. Ao contrário do que diziam os seus detratores, A Vida de Brian não goza com Cristo. O principal alvo da sua visão satírica é a hipocrisia associada à religião organizada. O filme visa os fanáticos religiosos que se recusam a pensar por si próprios, a burocracia presente nas estruturas governativas e, ainda, os épicos bíblicos de Hollywood.
Num filme repleto de cenas hilariantes, destacam-se, entre muitas outras: o apedrejamento de um blasfemo por parte de um grupo de mulheres que fingem ser homens; dado que a maioria das mulheres do filme são interpretadas por homens, era uma situação de homens a representar mulheres que representavam homens. Perto do fim, quando Brian está pregado na cruz, surgem os seus companheiros da Frente Popular da Judeia, mas, em vez de o salvarem, desatam a cantar o "Ele é um bom companheiro" ("For he's a jolly good fellow"). Finalmente, a cena da música "The Bright Side of Life" - que se tornou um inesperado êxito nas tabelas de vendas de discos.
A título de curiosidade, os seis membros dos Monty Python interpretam no conjunto 40 personagens diferentes. Originalmente, o filme era financiado pela EMI que recuou quando analisou o argumento. Nessa sequência, George Harrison criou propositadamente a Handmade Films que depois continuou como empresa de produção. Outros títulos que o filme chegou a ter, mas que foram abandonados: The Gospel According to St. Brian, Brian of Nazareth e Jesus Christ: Lust for Glory.
Como referenciar: A Vida de Brian in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 11:13:49]. Disponível na Internet: