acidente vascular cerebral

Vulgarmente conhecido por derrame cerebral ou simplesmente derrame - embora este termo, em medicina, possa assumir diferentes significados consoante as situações - o acidente vascular cerebral (ou AVC) é uma patologia que afeta o tecido nervoso cerebral, devido a uma insuficiência vascular arterial.

Esta ocorrência provoca a redução ou corte do abastecimento de oxigénio e de nutrientes ao cérebro, que apresenta uma resistência limitada a esta carência, resultando em necroses irreversíveis. A gravidade de um acidente vascular cerebral é variável, dependendo da extensão e duração da privação, assim como das áreas cerebrais afetadas.

Embora possa ocorrer em qualquer idade, a taxa de incidência aumenta a partir dos 40 anos. São considerados como fatores de risco a presença de hipertensão, diabetes, hábitos tabaquistas, obesidade, níveis elevados de colesterol e situações frequentes de elevado stress.

O acidente vascular cerebral pode ser de dois tipos: isquémico ou hemorrágico.
O acidente isquémico é desencadeado pela obstrução, total ou parcial, de uma artéria cerebral, interrompendo assim o fluxo sanguíneo.

A gravidade depende da localização da obstrução e da sua duração, sendo de importância fundamental a assistência médica imediata, já que a administração de medicação trombolítica pode dissolver o coágulo, revertendo a situação.
Embora possa surgir inesperadamente, a evolução é geralmente progressiva. Em caso de acidentes leves, é possível a recuperação total.

A diminuição do fluxo sanguíneo pode também ser originada por uma diminuição importante da pressão arterial, decorrente, por exemplo, de hemorragias em outras zonas do corpo ou de um acidente cardíaco.

O acidente hemorrágico surge subitamente, na sequência da rotura de um vaso, ocorrendo a libertação de sangue no interior da caixa craniana.
Assume um índice de gravidade superior, provocando frequentemente a morte do paciente.

O acidente vascular cerebral ocorre numa das metades do cérebro, sendo os sintomas percetíveis na metade oposta do corpo.

São sinais de alerta a perda de força súbita nos membros de um dos lados ou na face, o desvio lateral da boca, dificuldade em articular palavras, perda de sensibilidade unilateral ou de visão, dor de cabeça muito intensa e súbita e dificuldade repentina em caminhar.
Nos casos mais graves pode surgir confusão mental e convulsões.

Estudos diversos apontam para o facto de uma ingestão moderada de vitamina C e de aspirina poderem atuar como fatores de prevenção em acidentes vasculares cerebrais isquémicos.

Como referenciar: acidente vascular cerebral in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-22 02:06:15]. Disponível na Internet: