Acordos de Munique

Na segunda metade da década de 30, a Alemanha nazi encontrava-se fortalecida, perante a aparente passividade das democracias europeias. No ano de 1936 reocupou a Renânia, deu uma ajuda aos militares golpistas de Espanha e, a 12 de março, anexou a Áustria, tendo já em vista a Checoslováquia.
Depois da Primeira Guerra Mundial a França alicerçou um conjunto de alianças contra a Alemanha no qual a Checoslováquia desempenhava um papel fundamental. A aliança entre estes dois países foi consolidada em 1935, através da assinatura de um tratado.
Neste período, a propaganda nazi voltou-se para a população germânica na fronteira ocidental da Checoslováquia-Sudetas, uma região importante na defesa do país. Em setembro surgem atos violentos exigindo a autonomia e a Checoslováquia revolta-se com o apoio da França; no entanto, várias fações francesas recusaram o apoio à aliada oriental, nomeadamente os pacifistas e alguns partidários da direita. Neste último grupo político, homens como Georges Mandel, André Tardieu e Paul Reynaud tinham consciência de que a defesa da França passava, obrigatoriamente, pela defesa da sua aliada, mas assim não o entenderam os seus correligionários, que os acusaram de traição. Mussolini propôs, nesta altura, a realização de uma conferência na qual se reunissem países como a França, a Alemanha, a Itália e a Inglaterra, o que veio, efetivamente, a acontecer na cidade de Munique.
À margem destes acordos, que firmaram a anexação dos Sudetas pelo Reich e a tomada de outros territórios pelos ditadores húngaros e polacos estão a Checoslováquia e a União Soviética.
Édouard Daladier, presidente do Conselho Francês, pressionado pelos radicais e pela direita, apercebeu-se, que a opinião pública estava contra a guerra e que necessitava de ficar do lado da Inglaterra. Ao chegar a França, foi entusiasticamente recebido pela população. O mesmo tratamento foi recebido pelo representante inglês na conferência, o Primeiro-Ministro Arthur Neville Chamberlain, ao chegar ao seu país.
Na assembleia francesa, os comunistas, Henri de Kérillis e um socialista votaram contra os acordos de Munique, mas muitos dos seus apoiantes, como Daladier e Léon Blum, não foram mais do que apoiantes resignados.
Para a França, Munique significou a perda da sua aliada, a Checoslováquia, e a perda da sua credibilidade perante os outros aliados. A Rússia, por sua vez, considerou que houve uma real intenção de desviar a atenção nazi para o Leste e preparou-se para reenviá-la para o Ocidente com o Pacto Germânico-Soviético de agosto de 1939, enquanto Hitler considerava que a Inglaterra e a França estavam de acordo com as suas exigências.
A Checoslováquia agonizava como nação independente. A Segunda Guerra Mundial estava a chegar.
Como referenciar: Acordos de Munique in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-10-20 22:31:02]. Disponível na Internet: