Acordos de Paz de Camp David

Os Acordos de Paz de Camp David foram realizados entre o dia 5 e o dia 17 de setembro de 1978. O Presidente das Repúblicas Árabes do Egito, Anwar el-Sadat, e o primeiro-ministro israelita, Menachem Begin, reuniram-se com Jimmy Carter, o presidente dos Estados Unidos, e concordaram em instaurar a paz no Médio Oriente. Convidaram, igualmente, outras partes envolvidas no conflito israelo-árabe, para participarem nas reuniões que conduziriam a este acordo.
A histórica iniciativa do presidente Sadat em visitar Jerusalém e a receção que lhe foi feita no Parlamento, pelo Governo e pelo povo de Israel, bem como a visita recíproca do primeiro-ministro Begin à Ismailia, as propostas de paz feitas pelos dois líderes e, ainda, a calorosa receção destas missões, pelos povos de ambos os países, criaram uma oportunidade para o estabelecimento de um clima de paz no Médio Oriente. A instauração desse clima de paz requeria, dos dois países, respeito pela soberania, integridade territorial e independência política de cada estado, e o seu direito de viver em paz e segurança. O acordo estabelecido entre Israel e o Egito veio definir claramente as futuras relações entre os dois países.
Sendo propósito das conversações alcançar a paz e estabelecer boas relações de vizinhança, foi reconhecido que, para se atingir esse objetivo, era necessário o envolvimento de todos aqueles que foram afetados pelo conflito. Assim, ficou assente que o acordo constituiria as bases para a paz, não apenas entre o Egito e Israel, mas, igualmente, entre Israel e cada um dos seus outros vizinhos que viessem a estar preparados para negociar a paz com o país judaico.
As bases do acordo para a instauração da paz no conflito entre Israel e os seus vizinhos constam das resoluções 242 e 338 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.
Como referenciar: Acordos de Paz de Camp David in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-07-20 23:42:13]. Disponível na Internet: