Alcindo de Carvalho

Fadista, Alcindo Simões de Carvalho nasceu a 9 de janeiro de 1932, no Bairro Alto, em Lisboa. Chegou a ser vendedor de tintas. O fado não foi um acidente, antes sim uma inevitabilidade.
Alcindo Carvalho nasceu num ambiente fadista na Rua da Rosa, no coração do Bairro Alto. O seu pai era alfaiate de profissão. Mas na família o fado marcava constantemente presença. Um dos seus irmãos tocava viola e outro cantava. Assim a sua vocação foi descoberta com toda a naturalidade ainda na infância. Tinha 15 anos quando o guitarrista Francisco Carvalhinho descobriu o seu talento e o apresentou a Márcia Condessa que o contratou para a sua casa de fados, na Praça da Alegria. Três anos depois passou para O Faia, de Lucília do Carmo, integrando o elenco durante 16 anos. Depois passou por várias casas, como Adega Mesquita, Pico do Areeiro, Luso, Taverna d'El Rei, Embuçado e Clube do Fado. Mas onde mais se destacou foi na Parreirinha de Alfama, casa de Argentina Santos, onde atuou durante 21 anos.
A sua grande referência é Carlos Ramos, e até houve quem o acusasse de imitar aquele fadista. Mas Alcindo de Carvalho acabou por descobrir um estilo próprio. Participou em diversos espetáculos, incluindo Cabaret, de Filipe La Féria; Fados, de Ricardo Pais (ao lado de Carlos Zel, José Pedro Gomes, Luís de Matos, entre outros); e Cabelo Branco é Saudade, também de Ricardo Pais (ao lado de Argentina Santos, Celeste Rodrigues e Ricardo Ribeiro). Já atuou em diversos palcos, de que se destacam um festival em Marselha e um concerto em Londres.
Tem uma discografia considerável no tempo do vinil, salientando-se o álbum de 1969 com edição ibérica. Em 2004, a Movieplay lançou, em CD, a coletânea O Fado de ser Fadista, com alguns dos seus sucessos. O seu reportório inclui temas como "Saber quem somos", "Baile dos Quintalinhos", "Cruz de Pedra", "Fado de ser Fadista", "A Rua do Desencanto", "Saudades não as Quero" ou "Braços Erguidos".
Como referenciar: Alcindo de Carvalho in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-08-20 11:09:58]. Disponível na Internet: