Alfa Romeo

A história da marca de automóveis italiana Alfa Romeo começou em 1906 com a fundação, em Milão, da Sociedade Italiana de Automóveis Darracq. Esta empresa foi criada para produzir carros de custo reduzido, mas, apesar de algum sucesso inicial, entrou em crise financeira. Acabou por ser comprada por um grupo de adeptos de automóveis intitulado Anonima Lombarda Fabbrica Automobili, cujas iniciais formavam a palavra ALFA. Mas as dificuldades financeiras continuaram e o engenheiro Nicola Romeo, nascido em Nápoles em 1876, acabou por comprar a fábrica. Da junção de nomes nasceu a designação Alfa Romeo.
A fábrica dedicou-se a construir veículos militares durante a Primeira Guerra Mundial e depois motores para máquinas agrícolas, aviões, barcos e comboios. Mesmo assim, continuaram os problemas financeiros, mas com a ajuda financeira do governo a empresa manteve-se, dedicando-se apenas à construção de automóveis, também a nível de competição.
Em 1923 surgiu o primeiro carro com o nome Alfa Romeo, o modelo RL, um seis cilindros construído inicialmente para corridas. O carro foi um sucesso em termos desportivos e também a nível de vendas ao público em geral. A partir deste momento a Alfa Romeo dividiu-se em dois setores, um para o desporto, outro para a indústria.
Contudo, em 1927 a Alfa Romeo esteve para fechar portas, mas graças à reputação da marca foi encontrada uma solução, embora a estabilidade só surgisse em 1933, quando passou para a posse de uma empresa do Estado
depois da Segunda Guerra Mundial foi retomada a produção de automóveis, embora tenha sido preciso esperar até 1954 para surgir um verdadeiro Alfa Romeo, o Giulietta 1300. Antes tinha sido lançado o seis cilindros 2500 ''Flecha Dourada'', uma grande viatura com lugar para seis pessoas.
Em 1971, a marca italiana decidiu dedicar-se também ao setor de carros pequenos, tendo apresentado o Alfasud, que, contudo, não deu grandes provas de fiabilidade e acabou por prejudicar a imagem da Alfa Romeo.
Já no início da década de 80, o grupo Fiat, também italiano, comprou a Alfa Romeo e mudou a imagem desta marca, tendo em 1983 surgido o bem sucedido modelo 33, seguido do 75.
Em 1987, já dentro do grupo Fiat, deu-se a fusão da Alfa com a Lancia. Foi nesse âmbito que depois do fracasso do Alfa 6, do segmento dos carros grandes, surgiu em 1988 um modelo que entrou para a história, o 164, fabricado em parceria com a Saab, a Fiat e a Lancia, e desenhado pelos estúdios Pininfarina. O 164 era um carro de grandes dimensões, mas com prestações e características desportivas.
Com a marca já de imagem renovada, muito graças ao 164, em 1992 surgiu o 155, assim como os modelos 145 e 146.
1996 foi outro ano marcado por um renascimento, tendo na altura sido lançados o GTV e o Spider, a que se seguiu em 1997 o modelo 156, considerado o Carro Europeu do Ano em 1998. Em 2006 foi lançado o 159, sucessor do 156, e, no mesmo ano, foi apresentado um novo modelo desportivo, o Brera.
Como referenciar: Porto Editora – Alfa Romeo na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-02 00:51:38]. Disponível em