Álvaro Ribeiro

Filósofo e ensaísta português, nasceu em 1905, no Porto.
Discípulo de Leonardo Coimbra na Faculdade de Letras do Porto, Álvaro Ribeiro foi um dos fundadores do movimento chamado "Filosofia Portuguesa", onde colaboraram, entre outros, António Quadros e Afonso Botelho. Iniciou-se no mundo filosófico através da associação Renascença Portuguesa, de tertúlias em cafés portuenses, e noutros contextos, em que a filosofia não se limita à simples ligação escolar. Em 1922 publicou, no semanário Nova Gente, um artigo intitulado "Sofrer do Poeta", onde indica o seu propósito como pensador: "Deus! Pátria! Literatura!" e que o acompanhou ao longo da vida.
Da sua obra, muito estudada e contestada, destaca-se O Problema da Filosofia Portuguesa (1943), Os Positivistas (1951), A Arte de Filosofar (1953) e A Razão Animada (1957). Álvaro Ribeiro tentou mostrar como a herança positivista que arrastava a mentalidade e o sistema de ensino para a filosofia de Comte, atingiu a filosofia portuguesa. Desinteressado de qualquer racionalismo ou modernidade e crente na redenção futura do homem, tentou restabelecer a tradição portuguesa que estava oculta em obras poéticas e literárias, pois, segundo Ribeiro, cada poeta é um filósofo. Considerava, ainda, que a arte de filosofar consistia em tornar explícito o que está implícito, principalmente na linguagem poética e literária, e, em seguida, transformar em raciocínio.
Álvaro Ribeiro morreu em 1981.
Como referenciar: Álvaro Ribeiro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-19 14:09:53]. Disponível na Internet: