Angústia para o Jantar

Vários aspetos situam a segunda obra ficcional de Luís de Sttau Monteiro, apesar das nítidas ligações a uma leitura ideológica da realidade político-social em que o autor se situa, de acordo com António Mega Ferreira, num segundo momento da ficção neorrealista: por um lado "a grande novidade de Angústia para o Jantar, para lá de um inventário algo sumário [...] dos mecanismos e representações mentais de uma média e alta burguesia [...] reside na mesma impiedosa condenação de uma mediocridade desculpabilizante que procura nas "desigualdades à partida" o alimento da sua própria impotência", ao mesmo tempo que para essa novidade contribui a deslocação da localização social do narrador situado agora "no seio da classe dominante" (FERREIRA, António Mega - "Um Homem e a Sua Obra", introdução a Angústia para o Jantar, Círculo de Leitores, s/l, 1986, pp. XVI-XVIII). Com Angústia para o Jantar, Luís de Sttau Monteiro abre, assim, "depois de Eça de Queirós, depois de Joaquim Paço d'Arcos, um novo processo contra os meios mundanos da sociedade portuguesa. Tal como os seus precursores, ele é, digamos, um "filho pródigo", que está à vontade nos mesmos ambientes que impiedosamente denuncia. Tal como eles, ele é essencialmente um realista, um crítico de costumes, relegando para segundo plano os fundamentos espirituais e psicológicos do Homem. Diferentemente nos processos literários, Sttau Monteiro utiliza o estilo reportagem, com um mínimo de descrição ou de análise. Neste aspeto, é discípulo da escola norte-americana, sobretudo da corrente cujos representantes são Hemingway, Saroyan, Dorothy Parker: a arte literária centraliza-se no diálogo" (QUADROS, António, cit. in Introdução a Angústia para o Jantar, Círculo de Leitores, s/l, 1986, p. XXX). Por outro lado, ao nível da composição, o romance situa-se no contexto do nouveau roman, da experimentação no domínio do romance, obtida aqui por uma constante alternância e contraposição entre o discurso direto e o monólogo interior.
A novela começa com o habitual jantar mensal, entre dois amigos, Gonçalo, oriundo de uma família rica e António, filho de um oficial da marinha, que estabelecem um diálogo a propósito da condição familiar de cada um. Este diálogo, que permite perceber as desigualdades sociais entre os dois amigos, é extremamente irónico e contundente, acabando com uma altercação entre ambos.
Assentando na narração de acontecimentos banais e dos vícios que enformam a vida social lisboeta, o narrador faz desfilar um conjunto de personagens que se vão cruzando entre si, devido a situações pouco lícitas.
Adaptada ao teatro, esta obra obteve grande sucesso de palco, denunciando "sem dó nem piedade" uma série de preconceitos e ilusões que davam forma à sociedade dominante da época.
Como referenciar: Angústia para o Jantar in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2021. [consult. 2021-05-11 21:10:01]. Disponível na Internet: