Aniki-Bobó

Realizada por Manoel de Oliveira e produzida por António Lopes Ribeiro, a longa-metragem Aniki-Bobó estreou a 18 de dezembro de 1942, em Lisboa. O filme inspirava-se no conto Meninos Milionários de Rodrigues de Freitas e foi quase totalmente rodado em exteriores, nas zonas ribeirinhas do Porto e de Gaia. Porém, a ação não decorre nessa cidade mas numa cidade fictícia. Dois rapazes, Carlitos (Horácio Silva) e Eduardinho (António Santos), mantêm uma rivalidade devido à afeição que nutrem pela mesma rapariga, Teresinha (Fernanda Matos). Para conquistar as suas boas graças, Carlitos decide roubar uma boneca, aproveitando a distração do lojista (Nascimento Fernandes). Quando o grupo de amigos assiste à passagem dum comboio, Eduardinho escorrega, rolando pelo morro, caindo a poucos metros da linha férrea, gravemente ferido. Todos pensam que fora Carlitos a empurrá-lo e tratam-no com desprezo, mas o lojista que tinha sido testemunha do acidente repõe a verdade. Quando o filme estreou no Cinema Éden, foi mal recebido pelo público que o vaiou. O valor e a importância da obra só foram unanimemente reconhecidos muito após a sua estreia, encarregando-se o tempo de tornar Aniki-Bobó numa obra-prima do cinema português, apesar de muitos dos protagonistas serem atores amadores. A fotografia ficou a cargo de António Mendes.
Como referenciar: Aniki-Bobó in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2018. [consult. 2018-12-11 15:17:31]. Disponível na Internet: