Anita Ekberg

Atriz sueca que se tornou num dos maiores símbolos sexuais dos anos 50 e 60. Nascida em 1931, em Malmö, foi eleita Miss Suécia em 1950, o que lhe valeu um contrato para exercer a carreira de manequim nos Estados Unidos. A sua beleza depressa atraiu a atenção do magnata Howard Hughes que a convenceu a enveredar por uma carreira cinematográfica. O seu início não foi auspicioso: uma breve figuração num medíocre filme da dupla cómica Abbott e Costello e papéis secundários nas comédias Artists And Models (Pintores e Raparigas, 1955) e Hollywood or Bust! (1955), ambas protagonizadas por Jerry Lewis. Curiosamente, seria na Europa e pela mão de Federico Fellini que a atriz obteria os seus melhores papéis: em La Dolce Vita (A Doce Vida, 1960), banhando-se numa fonte perante um deleitado Marcello Mastroianni, e em Boccacio 70 (1962), seduzindo Peppino de Felippo. Posteriormente, dedicou-se aos "pepluns" e aos filmes históricos europeus, regressando esporadicamente a Hollywood para rodar Woman Times Seven (Sete Vezes Mulher, 1967), uma comédia com Peter Sellers e Shirley MacLaine. Depois de ter colaborado com Fellini em I Clowns (Os Clowns, 1971), entrou em franca decadência artística, engordando consideravelmente e participando em filmes que apenas visavam explorar os seus dotes físicos.
Como referenciar: Anita Ekberg in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-04-09 06:05:09]. Disponível na Internet: