Ansião


Aspetos Geográficos
O concelho de Ansião, do distrito de Leiria, localiza-se na Região do Centro (NUT II) e no Pinhal Interior Norte (NUT III). Situado na margem esquerda do Rio Nabão e nas proximidades da serra de Sicó, é limitado a norte pelo concelho de Penela, do distrito de Coimbra; a sul por Alvaiázere; a este por Figueiró dos Vinhos; e a oeste por Pombal.
No total abrange uma área de 176,5 km2 e é constituído por oito freguesias: Alvorge, Ansião, Avelar, Chão de Couce, Lagarteira, Pousaflores, Santiago da Guarda e Torre de Vale de Todos.

O natural ou habitante de Ansião denomina-se ansianense.

História e Monumentos
Ansião remonta à Pré-História, face aos achados de machados de pedra polida ali encontrados. Apresenta também vestígios da época dos Romanos, tendo sido encontrados mosaicos, moedas, telhas, pesos de tear, colunas, etc., e vestígios da cultura árabe.

A palavra Ansião aparece num documento datado de 1175. O primeiro foral foi concedido em 1142, sob a condição de os seus habitantes cultivarem a terra e a defenderem dos inimigos. Nessa altura o concelho sofreu uma forte colonização e o sistema defensivo foi alargado com a construção da Torre de Vale de Todos.

Em 1514 foi concedido novo foral a Ansião, por D. Manuel I. D. Afonso VI elevou Ansião a vila e, mais tarde, D. Pedro II doou a vila ao Conde de Ericeira, D. Luís Meneses, como forma de agradecimento pelos seus préstimos na Batalha do Ameixial.

É terra de personalidades notáveis, nomeadamente Pascoal José de Melo, jurista, amigo do Marquês de Pombal; António Soares Barbosa, professor universitário; e Francisco Freire de Melo, entre muitos outros.
A vila foi substancialmente destruída durante as invasões francesas.

A nível de monumentos destacam-se as seguintes igrejas: N. Sra. da Conceição, Misericórdia da Alvorge e Matriz (séc. XVII); as Capelas da Misericórdia, da Costantina (1623) e do Senhor do Bonfim; e a Ermida do Anjo da Guarda. A Igreja de N. Sra. da Consolação em Chão de Couce apresenta no Altar-Mor a última pintura executada por José Malhoa. Há ainda a destacar o Pelourinho, o forno medieval e a lápide evocativa da Batalha do Ameixial em 1686.

Outros locais de interesse: a residência senhorial de Chão de Couce, hoje denominada Quinta de Cima; a residência dos condes de Castelo Melhor (séc. XVI), de estilo manuelino; a ponte medieval da Cal; a Torre do antigo solar do Conde de Castelo Melhor; as aldeias típicas da Portela de S. Lourenço, da Venda do Negro e de Casais Maduros; as paisagens do vale de Pousaflores, do Rio Nabão e das Serras de Casal Soeiro, da Ameixoeira, de Mouro e de Alqueidão.

É também digno de visita o Museu Municipal de Ansião, outrora prisão.

Tradições, Lendas e Curiosidades
Todos os anos, em agosto, têm lugar as festas do concelho, com espetáculos, exposições, cinema infantil, folclore e outros divertimentos, e um desfile - o Cortejo Alegórico do Povo.

A 10 de agosto realiza-se a festa de S. Lourenço, inserida nas festas do concelho, também conhecida pela feira dos Poceiros; organizada pelos Bombeiros Voluntários de Ansião com o objetivo de angariar fundos, esta festa tem uma tradição de 38 anos.
Ansião é também local da prática de desportos radicais.
O feriado municipal é na quinta-feira de Ascensão.

A nível de artesanato sobressaem os trabalhos de carapinheira, taveiro, vime e verga, cestaria, calcetaria, tecelagem e confeção de queijo.

Economia
O principal setor de atividade é o secundário, ligado às indústrias de cerâmica, componentes para a indústria têxtil, sinais rodoviários, alumínios, embalagens, lanifícios e argilas expandidas. Logo a seguir aparece o setor terciário, relacionado com o turismo.

O setor primário ainda representa um papel importante na economia do concelho, com destaque para os campos de milho e de centeio, as hortas e os olivais, constituindo uma atividade complementar.


Como referenciar: Ansião in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-19 05:58:36]. Disponível na Internet: