Anta-Capela de Pavia

Sobressai na pacata povoação de Pavia, no concelho de Mora, um curioso monumento compósito. Trata-se de uma anta ou dólmen de grandes dimensões que foi adaptado a capela, talvez em época medieval, sob o culto de S. Dionísio.
A Anta é um monumento da arquitetura funerária, do megalitísmo eborense, de meados de IV Mil. a. C./III Mil. a. C..
Este monumento megalítico seria originariamente constituído por uma mamoa ou montículo de terra e de pedra que o ocultaria na imensidão da planície alentejana, uma câmara, e um corredor. De todo este conjunto apenas chegou até nós a câmara onde hoje se ergue o altar-mor da capela de S. Dionísio, cuja origem se desconhece - apenas se sabe que já existia em finais do primeiro quartel do século XVII. A planta, de forma poligonal, compõe-se de sete esteios de granito que perfazem uma curvatura com cerca de 4,50 metros de diâmetro por 3,30 metros de altura. A laje de cobertura, à semelhança de outros monumentos deste tipo, apresenta igualmente grandes dimensões.
Apesar da profunda violação e obras de adaptação que este monumento sofreu ao longo dos séculos, foi alvo de investigação por parte do arqueólogo Virgílio Correia. Aqui foram detetados alguns nichos constituídos por lajes de pedra granítica que teriam servido de sepulcros individuais ou para enterramentos secundários.
Relativamente ao espólio encontrado, destacam-se ainda as famosas placas de xisto, de formato trapezoidal e decoração geométrica de espinha e triângulos, alguns objetos de pedra polida e fragmentos de cerâmica.
Como referenciar: Anta-Capela de Pavia in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-13 16:43:19]. Disponível na Internet: