Antecedentes das Invasões Francesas

A política externa portuguesa de 1801 a 1807, como em períodos anteriores, dividiu-se entre a aproximação ora à Inglaterra ora à França. A Inglaterra tornara-se absolutamente indispensável para o desenvolvimento económico do país, que militarmente estava também dependente do apoio e da direção britânicas.
A aliança com a França parecia mais desvantajosa para Portugal, porque este país mantinha relações privilegiadas com a Espanha. O bom relacionamento entre estas duas nações perspetivava para o nosso vizinho ibérico uma excelente oportunidade de invadir Portugal e retomar a União Dinástica quebrada em 1640, com a restauração da independência do país, após sessenta anos de domínio espanhol.
Napoleão decretou em 1806 o bloqueio continental, isto é, decretou a proibição de qualquer país europeu manter algum tipo de relacionamento com a Inglaterra. Portugal, que não estava muito empenhado em obedecer à imposição francesa e trair o seu valioso e perigoso aliado, apesar da relutância em obedecer a Napoleão, foi coagido a fazê-lo. Em julho de 1807 a regência portuguesa recebeu um documento diplomático em que era obrigada a fechar os portos aos ingleses, cortar relações diplomáticas com a Grã-Bretanha, prender todos os cidadãos britânicos em território português e confiscar os seus bens, sob pena de sofrer as mais pesadas retaliações.
Portugal estava confrontado com dois cenários pouco agradáveis: por um lado se decidisse aderir ao bloqueio continental estava sujeito a perder o seu império para os ingleses, ou seja perder o Brasil, a parte mais apetecida do seu espaço colonial; por outro lado, se apoiasse a Inglaterra o país seria imediatamente tomado pelos franceses e a corte seria compelida a abandonar a metrópole e instalar-se na colónia brasileira.
Apesar da regência tentar, pela via diplomática, chegar a um compromisso de paz, em agosto de 1807 o príncipe D. João recebeu um ultimatum, apresentado pelos representantes diplomáticos de França e da Espanha. Ou Portugal declarava guerra à Inglaterra até ao primeiro dia de setembro, ou era invadido pelas tropas franco-espanholas.
No mês de outubro a aliança franco-espanhola chegou inclusivamente a negociar a partilha de Portugal em Fontainebleau, na eventualidade de o país sucumbir a esta força.
Os dados estavam lançados. Portugal manteve o apoio à coroa britânica e preparou-se para ser invadido.
Convencido da invencibilidade do exército francês, o governo português decidiu não resistir; assim, de acordo com um plano preestabelecido com os ingleses, a corte partiu para o Brasil no final de novembro, a bordo de um navio da armada britânica, permanecendo por um período de 14 anos no Rio de Janeiro. O impensável acontecia: Portugal, apesar de teoricamente se manter um reino, unido com o Brasil, na prática passava a ser uma colónia deste território.
Como referenciar: Antecedentes das Invasões Francesas in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-06-20 08:39:18]. Disponível na Internet: