antidepressivos

Os antidepressivos são substâncias que podem corrigir o humor em casos de humor deprimido (desligação do humor). São usados no tratamento de depressões.
A ação desta substância é lenta e não se observa logo nos primeiros dias de administração, tendo contudo um efeito prolongado no tempo. Como qualquer outro medicamento, produz efeitos secundários, que são imediatos e evidentes, mas que são geralmente bem tolerados, tendo em conta o alívio dos sintomas que caracterizam a depressão.
Os antidepressivos não fazem parte de um tratamento no âmbito da psicologia, mas são muitas vezes úteis para que reduzam os sintomas depressivos. São tratamentos químicos do conjunto de perturbações que afetam um deprimido.
Eles atuam tanto a um nível somático, tal como na lentificação psicomotora, insónias, e alterações de peso e do apetite, como a um nível psicológico, melhorando o humor depressivo.
Os antidepressivos podem-se dividir em duas categorias:
Os antidepressivos de primeira geração, os tricíclicos, e os IMAO (inibidores das monoamina-oxidases). Os tricíclicos são favoráveis em qualquer tipo de depressão, mas a resposta ao tratamento é maior no caso das depressões psicóticas. Os IMAO são úteis em algumas depressões atípicas.
E os produtos de segunda geração, que têm um menor número de efeitos secundários e uma maior tolerância, mas com efeitos clínicos mais dirigidos, que são os IRS ou inibidores da captação da serotonina.
Convém dissuadir os doentes de interromperem o tratamento precocemente, com risco de recidiva passadas duas a três semanas.
Como referenciar: antidepressivos in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-11-23 21:55:07]. Disponível na Internet: