António Barreto

Sociólogo e político português, António Miguel de Morais Barreto nasceu a 30 de outubro de 1942, no Porto.
Tendo-se recusado a participar na Guerra Colonial, foi obrigado a abandonar o País e o curso de Direito, que frequentava na Universidade de Coimbra desde 1960. Fez parte do chamado «grupo da Suíça», constituído por refugiados políticos portugueses, acabando por se licenciar em Sociologia, em Genebra, onde se tornou professor. Trabalhou como assistente de investigação no Instituto de Pesquisas das Nações Unidas para o Desenvolvimento Social e foi membro fundador e redator da revista Polémica. Foi militante do Partido Comunista até 1968.
Consultor das Nações Unidas aquando da revolução de 25 de abril de 1974, regressou a Portugal, tornando-se no ano seguinte professor nas Universidades Católica e Nova de Lisboa. Ingressando no Partido Socialista (PS), foi deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República (1985-1991), tendo tido a seu cargo, no I Governo Constitucional, a pasta do Comércio e Turismo, que acumulou com a da Agricultura e Pescas de novembro de 1976 a 1978. Em setembro de 1978, abandonou o PS, fundando em 1979 o Grupo dos Reformadores.
Nos últimos anos, a sua participação na vida pública tem passado sobretudo pela atividade de comentador da atualidade política e de matérias sociais, tanto na televisão como na imprensa escrita, mas dedica-se, ao mesmo tempo, à investigação. Pelo seu contributo como investigador, político e colaborador na imprensa, foi galardoado com o Prémio Montaigne 2004, atribuído pela fundação alemã Alfred Toepfer Stiftung.
É autor, entre outras obras, de Anatomia de uma Revolução. A Reforma Agrária em Portugal, 1974-1976 (1987), Sem Emenda,Tempo de Mudança (1997), A Situação Social em Portugal (1996), A Situação Social em Portugal, vol. II (2000) e Tempo de Incerteza (2002).
Como referenciar: António Barreto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-02-20 17:10:55]. Disponível na Internet: