António Carneiro

Pintor, professor da Escola de Belas-Artes do Porto, diretor artístico da revista Águia, ligado ao movimento da Renascença Portuguesa, António Teixeira Carneiro foi uma notável figura da cultura nortenha. Nasceu em 1872, em Amarante, e veio a falecer em 1930, no Porto. Foi discípulo de Soares dos Reis e de Marques de Oliveira na Academia Portuense de Belas-Artes. Em Paris, frequentou a Academia Julien. Participou na decoração da Exposição Universal de 1900. Nesta época realizou o tríptico A vida - esperança, amor, saudade (1899-1901), em que está já patente a vertente poético-simbolista que caracterizaria a sua atitude plástica. Os temas literários, em Camões Lendo os Lusíadas aos Frades de S. Domingos e nos desenhos preparatórios para as ilustrações do Inferno de Dante, e uma componente mística, patente em poemas e esboços de temas bíblicos, completam o elaborar de uma perpétua interrogação. Viajou frequentemente, tendo feito em 1914 a sua primeira viagem ao Brasil, expondo em S. Paulo e no Rio de Janeiro. Retratista emérito e muito solicitado, interessou-se igualmente pela paisagem, tendo pintado dezenas de marinhas de Leça da Palmeira. As suas Praias do Norte aparecem invariavelmente envoltas em bruma, com figuras esbatidas que remetem para o silêncio intemporal das paragens. O quadro Noturno (1910) ou as paisagens "irreais" do Douro e de Melgaço (anos 10 e 20) revelam uma leitura dos expressionistas. A pintura de António Carneiro surge com uma interioridade e uma qualidade espiritual rara na arte portuguesa do início do século, longe das preocupações naturalistas de verosimilhança ou mesmo das conceções impressionistas de captação da cor e da luz.
Como referenciar: António Carneiro in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-04-18 23:17:26]. Disponível na Internet: