António da Rocha Peixoto

Naturalista, arqueólogo e etnógrafo português, António Augusto da Rocha Peixoto nasceu a 18 de maio de 1868, na Póvoa de Varzim, e formou-se na antiga Academia Politécnica do Porto. No início da sua carreira começou por se interessar pelas ciências naturais, mas rapidamente incluiu nos seus temas prediletos os assuntos que diziam respeito à etnografia.
Foi considerado um dos mais brilhantes etnógrafos portugueses vindo do século XIX. Amava os temas relacionados com a cultura material e a organização comunitária das populações. Cientista invulgar, detentor de um método científico que fez escola e que esteve na origem de um género de investigações, Rocha Peixoto foi uma figura ímpar da Etnografia em Portugal
Para além da Etnografia, possuía ainda um profundo conhecimento de História de Arte e de Arqueologia, tendo escrito diversos artigos sobre estes assuntos. Faleceu prematuramente, no auge da sua carreira, com apenas 42 anos (02/05/1909, Porto). Ao longo da vida ocupou diversos cargos de relevo. Foi naturalista-adjunto do Gabinete de Mineralogia, Geologia e Paleontologia da Academia Politécnica do Porto e diretor da Biblioteca Pública e do Museu Municipal do Porto. Foi ainda um dos fundadores e um dos principais dinamizadores da Revista de Ciências Naturais e da revista Portugália. Deixou-nos uma obra vastíssima com mais de 200 artigos, ensaios, monografias, etc.
Alguns trabalhos publicados de Rocha Peixoto:
1892, "A Tatuagem em Portugal" in Revista de Ciências Naturais e Sociais
1898, "Etnografia Portuguesa. Habitação.Os palheiros do Litoral" in Revista Portugália
1900, "Etnografia Portuguesa. Indústrias Populares. As Olarias do Prado" in Revista Portugália
1901, "Uma Iconografia popular em Azulejos" in Revista Portugália
1908, "Etnografia Portuguesa. As Filigranas" Revista Portugália
Como referenciar: António da Rocha Peixoto in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-12 21:00:28]. Disponível na Internet: