Aqueduto dos Pegões Altos

O monumental aqueduto da cidade de Tomar, com a denominação de Pegões Altos, é uma extensa obra que tem o seu começo nas proximidades da Ermida de Santo António de Pegões, percorrendo uma longa distância de cerca de seis quilómetros até abastecer a cisterna do principal claustro do Convento de Cristo. Com efeito, a sua missão primordial foi a de fornecer água potável a esse magnífico monumento da cidade do Rio Nabão.
Esta obra foi iniciada em 1593 por ordem de Filipe II de Espanha e concluída já no reinado de seu filho, Filipe III, no ano de 1614, como nos informa uma lápide adossada à construção inicial de captação de águas situada na periferia de Tomar, no lugar de Pegões. A responsabilidade pelo seu plano e a direção dos trabalhos couberam ao notável arquiteto Filipe Terzi, sendo concluída pelo mestre Pedro Fernandes de Torres.
Esta magnífica obra de engenharia é composta por um total de 180 arcos e constituída, em alguns troços, por duas filas sobrepostas. O esquema de construção é composto por fila única de robustos e alteados arcos circulares em áreas de pouca altura. Quando o terreno vencido pelo aqueduto apresenta um maior desnível, este é constituído por duas ordens de arcarias, com a inferior formada por poderosos e resistentes arcos ogivais, arcaria semelhante àquela que seria empregue na edificação do setecentista Aqueduto das Águas Livres, na área do Vale de Alcântara.
Na parte superior do aqueduto corre um parapeito, que protege o canal por onde é conduzido o precioso líquido.
Como referenciar: Aqueduto dos Pegões Altos in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-17 10:22:03]. Disponível na Internet: