Assuão

Com o nome primitivo de Sono ou Siene (mercado), esta cidade foi capital da primeira província do Alto Egito e continua a ser um grande centro mercantil, situando-se a sul do Cairo e na margem oriental do rio Nilo. A região de Assuão possui alguns dos monumentos mais importantes do Egito, como o mausoléu fatímida de Mohamed Shah Aga Khan (efetuado em 1957 em mármore de Carrara), os túmulos de personagens da nobreza do Império Antigo e Primeiro Período Intermediário (que datam do século XXIII a. C., escavados na rocha em Qubbet el-Hawa, e no interior da qual se encontram cenas da vida quotidiana), o templo de Filas (desmontado e reconstruído na ilha Aguilkia aquando da construção da barragem, dedicado a Ísis, com dois pilones e uma "mamisi" ou casa para o nascimento divino). Destaca-se também a ilha Elefantina, cujo nome se deve a rochas semelhantes a elefantes que se espalham pela sua extensão e se situa a meio do rio Nilo. Além do nilómetro (instrumento para medição do caudal do rio com registos desde a época romana), contém ruínas dos templos de Satet e Anukis, seu filho, assim como do de Khnum. Sabe-se também que o deus venerado inicialmente nesta ilha era Khnum. Existem ainda dois pequenos templos greco-romanos, um gigantesco obelisco inacabado (pesando cerca de mil toneladas), o templo de Kalabsha construído em pedra arenosa da Núbia, que data do governo de Octávio Augusto (27 a. C. - 14 d. C.) e foi trasladado do seu local original (a cerca de 50 quilómetros de Assuão), e o templo de Beit el-Waly, também esculpido na rocha no reinado de Ramsés II. O mosteiro copta de São Simeão foi construído em homenagem a Amba Hadra, um santo da localidade, no século VI d. C. A cidade de Assuão era igualmente uma importante fonte de granito rosa, cujas pedreiras foram exploradas até aos primeiros séculos da era cristã.
A Alta Barragem, um projeto hidrológico de grande envergadura, localizada do rio Nilo, abastece todo o Egito de eletricidade e água, e garante energia a custos relativamente baixos. Construída na década de 1960 para substituição da Barragem de Assuão de 1902 e como prevenção contra as inundações, começou a ser utilizada em 1968.
Como referenciar: Assuão in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-10-19 17:27:14]. Disponível na Internet: