Astúrias

Província do Norte de Espanha e um principado sob o patrocínio do herdeiro do trono espanhol, integrados na Comunidade Autónoma das Astúrias com a capital na cidade de Oviedo. Faz fronteira com as seguintes províncias: Cantábria a este, Leon a sul, Lugo a oeste, e a norte é banhada pelo mar Cantábrico (oceano Atlântico).

Tem uma superfície de 10 604 km2. A população absoluta da província de Astúrias é de cerca de 1 024 800 habitantes, o que equivale a 2,41% da população total de Espanha, tendo uma densidade populacional de 101,6 habitantes por km2 (dados do Instituto Nacional de Estatística espanhol, 2006).
Localizada a noroeste, junto ao mar Cantábrico, na vertente norte da cordilheira Cantábrica, apresenta uma costa muito escarpada e recortada, formando praias, rias e cabos. Os rios são pouco extensos, mas de águas rápidas. Uma das áreas mais elevadas desta região corresponde aos Picos da Europa, que atingem os 2400 metros de altitude, e onde existe um parque natural. Estas condições oferecem várias oportunidades para os alpinistas e para os amantes de percursos pedestres assim como para os banhistas, junto à costa.

Nas áreas rurais asturianas produz-se a cidra e fala-se um dialeto local, o bable.

A região já era habitada pelos Celtas e depois pelos Astures no período anterior à romanização e foi do nome deste povo que se originou a designação de Astúrias. Posteriormente foi controlada pelos Árabes e no ano 730, no lugar de Pelayo, estabeleceu-se um reino que mais tarde daria lugar ao Reino das Astúrias.

As suas principais cidades, para além de Oviedo, a capital, são Gijón e Avilés, onde se concentra a maior parte da população, contrastando com as áreas de "vazio humano" que correspondem às regiões montanhosas. Tanto Santander como Oviedo são cidades universitárias importantes, com uma vida cultural intensa. A cultura asturiana é muito rica, possuindo um dialeto próprio, o bable.

A música, a dança e a gastronomia são variadas. A cozinha típica desta região é semelhante à da Normandia e da Bretanha, destacando-se a favada asturiana, os pratos de peixe e a famosa sidra, como a sua bebida mais típica. Aqui abundam os monumentos de arquitetura pré-românica e românica, como a Abadia de São João Batista, perto de Gijón. Também existem monumentos renascentistas e barrocos, como os palácios de Oviedo e Avilés.

Economicamente, é uma região deprimida, devido à decadência da indústria extrativa de carvão e da siderúrgica, mas é importante na produção de alumínio. A rentabilidade agropecuária é baixa, devido à fraca mecanização. Possui centrais termoelétricas e o turismo está em fase de desenvolvimento. O comércio e os serviços concentram-se nas cidades principais. A sua acessibilidade está em fase de desenvolvimento ao nível viário, o transporte ferroviário ainda continua lento e insuficiente no interior e o porto marítimo de Gijón, depois de ampliado, incrementou o seu tráfego nos últimos anos.
Como referenciar: Astúrias in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-12-07 01:59:04]. Disponível na Internet: