Atlas

Atlas, ou Atlante, era filho da oceânide Clímene (ou da oceânide Ásia) e do titã Jápeto, sendo irmão de Menécio, Prometeu e Epimeteu. O seu nome significa "o que sustenta a abóbada celeste". Vivia na região dos Hiperbóreos ou no país das Hespérides, a Ocidente.
Zeus lançou Atlas (que castigou com a missão de sustentar a abóbada do Céu) e os seus irmãos no Tártaro, depois de os vencer na luta primordial que restabeleceu a ordem do Universo e deu a Zeus o seu lugar de primazia no Olimpo. Nesta mesma luta, o eixo da Terra ter-se-ia inclinado sobre o plano da eclíptica, do qual derivaram as quatro estações e os equinócios. Atlas ter-se-ia transformado posteriormente em pedra quando Perseu, zangado por Atlas não lhe ter dado asilo, lhe mostrou a cabeça de Medusa, morta pelo próprio Perseu. Foi esta sugestão que levou à atribuição do nome de Atlas ao monte Cilene, na Arcádia, e posteriormente à cadeia montanhosa do Norte de África. Atlas foi pai de Hespero, de Hias e das Hespérides, unindo-se com Hespéris, e das Plêiades - Maia, Electra, Astérope, Celene, Taígeta, Alcíone e Mérope - nascidas, assim como as Híades, da sua união com Plêione. São conhecidas outras referências a Atlas, entre as quais a de que seria um humano divinizado por se ter destacado na ciência astronómica (durante a Idade Média atribuiu-se-lhe a invenção do astrolábio) e em algumas obras é enaltecido por ser dotado de uma inteligência extraordinária.
Luís Vaz de Camões menciona esta divindade n' Os Lusíadas.
Como atlas, conhecem-se também os volumes que contêm cartas geográficas, devido provavelmente à representação do gigante Atlas na cartografia de G. Mercator, datada de 1595.
Como referenciar: Atlas in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-12-01 17:36:51]. Disponível na Internet: