Barry Levinson

Realizador e argumentista norte-americano, Barry Levinson nasceu a 6 de abril de 1942, na cidade de Baltimore. Após ter terminado os estudos liceais, começou a trabalhar numa estação televisiva local. Em 1964, concluiu a licenciatura em Jornalismo pela Universidade de Washington e resolveu instalar-se em Los Angeles, onde se matriculou na Oxford Company estudando Artes Dramáticas. Trabalhou como cómico em clubes noturnos, muitas vezes improvisando os seus próprios textos. Chegou a ter um programa seu numa televisão local de Los Angeles, mas o projeto foi efémero. A atriz e comediante Carol Burnett reparou no seu talento e convidou-o para a equipa de elaboração de textos para o seu programa televisivo semanal: o Carol Burnett Show (1967-73). A espontaneidade e engenho cómico de Levinson valeram-lhe dois Emmys e marcaram a sua rampa de lançamento para o cinema: assinou os guiões do thriller The Internecine Project (A Morte Chega ao Telefone, 1974) e das comédias de Mel Brooks Silent Movie (A Última Loucura de Mel Brooks, 1976) e High Anxiety (Alta Ansiedade, 1977). Chegou mesmo a ser nomeado para o Óscar de Melhor Argumento Original por ...And Justice For All (...E Justiça Para Todos, 1979). Depois de assinar o argumento de Best Friends (Adeus Amigos, 1982), resolveu aventurar-se na realização com base num guião por si elaborado: Diner (Loucuras Dum Casal, 1982) foi filmado em apenas seis semanas e é um retrato autobiográfico em Baltimore, nos anos 50, visto pelos olhos de um grupo de amigos que frequenta um restaurante e que tenta encarar a ideia do matrimónio. Apesar de os distribuidores se recusarem inicialmente a exibir o filme nas salas de cinema, temendo um fracasso de bilheteira, o título revelou um satisfatório resultado comercial (Levinson voltou a ser nomeado para o Óscar de Melhor Argumento Original) e serviu para projetar a carreira de jovens atores até então praticamente desconhecidos, como Mickey Rourke, Kevin Bacon e Ellen Barkin. De seguida, Robert Redford convenceu-o a realizar The Natural (Um Homem Fora de Série, 1984), um filme sobre basebol, mas os resultados de bilheteira foram pouco mais do que medíocres, tal como os subsequentes Young Sherlock Holmes (O Jovem Sherlock Holmes, 1985) e Tin Men (O Caixeiro Viajante, 1987). O seu primeiro grande êxito comercial foi Good Morning Vietnam (Bom Dia, Vietname, 1987), uma sátira mordaz à Guerra do Vietname alicerçada num excelente desempenho de Robin Williams. O filme seguinte de Levinson marcou a sua melhor fase: o Óscar de Melhor Realizador por Rain Man (Encontro de Irmãos, 1988), a história de um autista e do seu reencontro com o irmão mais novo, um jovem executivo bem sucedido. Seguiu-se Avalon (1990), uma crónica sobre a adaptação de uma família estrangeira aos costumes americanos. Voltou à noite dos Óscares com Bugsy (1991), tendo arrecadado nova nomeação para Melhor Realizador. A partir daí, colecionou alguns desaires de bilheteira como Toys (1992), Disclosure (Revelação, 1994), Sleepers (Sentimento de Revolta, 1996), The Sphere (A Esfera, 1998) e Bandits (Bandidos, 2001).
Como referenciar: Barry Levinson in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-06-04 03:26:55]. Disponível na Internet: