Batalha de Actium

Batalha naval ocorrida a 2 de setembro de 31 a. C., na antiga Grécia, perto do promontório de Áccio - consagrado a Apolo -, à entrada do Golfo de Arta.

Também conhecida como batalha de Áccio, opôs Marco António a Octávio, o futuro imperador romano Augusto, e foi favorável a este último.
Após o fim do segundo triunvirato em 32 a. C., o poder Romano dividia-se entre as intenções de Octávio e Marco António.

O primeiro contou com o apoio de um contingente militar novo, defendendo o Ocidente das ameaças do Oriente, simbolizado por António, que se apoiava na grande nobreza, e que mantinha uma forte ligação com o Egito e com a sua rainha, Cleópatra.

Com o apoio do senado, Octávio declarou guerra ao Egito. O suporte de António à rainha egípcia envolveu-o na contenda e, em Áccio, deu-se o confronto, vencido por Octávio.

António retirou as suas tropas na esperança de poder combater o seu adversário mais tarde no Egito ou na Síria. Contudo, o abandono das suas legiões retirou-lhe qualquer hipótese de resistência.

Marco António suicidou-se em julho e Cleópatra em agosto, data em que Octávio se apoderou do Egito.

Como referenciar: Batalha de Actium in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-09-30 03:41:57]. Disponível na Internet: