Batalha de Essling

Napoleão I, depois de ter ocupado Viena em 12 de maio de 1809, dirigiu-se com 100 mil homens para a margem meridional do Danúbio e tentou atravessá-lo em frente à ilha de Lobau a 20 de maio. O arquiduque Carlos tomou posições entre Bisamberg e Russdorf. Quando metade dos franceses tinham atravessado o rio, o arquiduque iniciou a batalha de 21 de maio de 1809. A Guarda Imperial permaneceu de reserva na ilha; mas ao sul do Danúbio ficaram no entanto as reservas e o corpo do marechal Davout. Napoleão comandava o centro, o marechal Lannes a ala direita e Massena a esquerda. O exército austríaco ascendia a 103 batalhões, 148 esquadrões e 288 bocas de fogo. O ataque contra Essling tinha fracassado, mas Napoleão tentou inultimente liquidar o centro inimigo. Tendo recebido reforços durante a noite, a batalha reanimou-se às 4 horas da madrugada. Os austríacos estenderam-se pelos flancos para envolver os franceses e Napoleão fez atacar o centro inimigo por Lannes. Os austríacos começavam a retroceder quando souberam que as pontes de barcas que uniam a ilha de Lobau tinham sido arrastadas. Napoleão, não podendo reparar as pontes, retrocede para a ilha de Lobau. Os exércitos tinham perdido cerca de um terço dos seus efetivos. O marechal Massena bateu em retirada, tendo recebido mais tarde o título de Príncipe de Essling.
Como referenciar: Batalha de Essling in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-07-06 18:25:31]. Disponível na Internet: