Batalha de Rangum

Batalha da II Guerra Mundial. O ataque japonês a Pearl Harbor (7 de dezembro de 1941) foi seguido por uma série de ofensivas nipónicas por terra, mar e ar que colocaram, muito rapidamente, nas suas mãos uma parte importante da zona do Pacífico e do Índico. As conquistas sucediam-se a um ritmo extremamente rápido, apesar de alguns episódios de bravura por parte das guarnições aliadas em bases e cidades da região. Mas o perigo de uma ofensiva em grande escala, que pudesse comprometer a posição aliada, era bem real.
A 17 de março de 1942, o general MacCarthur desembarcou no continente australiano, escapando assim dos japoneses. A pedido da Austrália, ameaçada pela queda de Java e pelo avanço nipónico, MacCarthur vinha assumir o comando da zona sudoeste do Pacífico.
Entretanto, os soldados do Japão prosseguiam no seu avanço, também para leste. Depois da tomada da Tailândia, envolvem-se numa grande ofensiva em direção à fronteira indiana. Será lenta e difícil. Antecedendo a conquista da Birmânia e da sua capital, Rangum, e com o objetivo de cortar as linhas de abastecimento à China, os japoneses concentram os seus esforços no corte da longa e mítica estrada da Birmânia, a grande via de acesso ao gigante chinês. Finalmente, Rangum foi ocupada em março de 1942 e as tropas britânicas, abandonando a maior parte do seu material, tiveram de retirar-se para a Índia. Depois da queda das ilhas Andaman, no golfo de Bengala, a marinha japonesa fazia a sua aparição no Índico. A Índia estava verdadeiramente ameaçada. Contudo, inexplicavelmente, os comandos nipónicos resolveram continuar a sua ofensiva na Nova Guiné e nas Novas Hébridas, vindo a sofrer uma enorme derrota na Batalha de Midway. A partir de então, aproximava-se a hora dos Aliados.
Como referenciar: Porto Editora – Batalha de Rangum na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-10-23 05:43:43]. Disponível em