Batalha de Santa Clara (Cuba)

Foi uma das batalhas-chave para o triunfo dos revolucionários cubanos. Ocorreu junto à localidade de Santa Clara, a meio caminho entre o ponto de partida dos barbudos de Fidel Castro e Ernesto Che Guevara, a Sierra Madre, na parte leste da ilha, e Havana, a capital e sede do poder ditatorial de Fulgencio Batista. Depois da vitória revolucionária em Santa Clara, Fulgencio Batista e a capital caíram em 31 de dezembro de 1958, perante uma onda de entusiasmo popular em torno dos barbudos de Fidel. Acabava um período de poder tirano e despótico, controlado pelos EUA, bem como o "reinado" de Batista, desde 1952 à frente dos destinos de Cuba.
Em Santa Clara, as tropas revolucionárias de Fidel assaltaram um comboio blindado do exército procedente de Havana com reforços para a região oriental de Cuba, foco originário da Revolución. Além disso, ali estava também mais violento o conflito encabeçado por Fidel, Che Guevara e Camilo Cienfuegos. Ao chegar a Santa Clara (na localidade de Las Villas), a composição militar foi intercetada pelos guerrilheiros, descarrilando alguns dos seus vagões. Estava aberto o caminho triunfal até Havana para Fidel e seus homens.
Santa Clara e o episódio militar ficaram imortalizados por um conjunto de trechos ou títulos de canções revolucionárias cubanas, a maior parte das vezes dedicadas ao Comandante, desaparecido mais tarde, em 1967, na Bolívia, Che Guevara, o herói da batalha.
Como referenciar: Batalha de Santa Clara (Cuba) in Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2020. [consult. 2020-06-03 10:49:03]. Disponível na Internet: