Batalha dos ""Campos Cataláunicos""

Após a sua entrada na Gália, Átila, rei dos hunos, ocupou Aurelianum (atualmente Orleães), mas um contingente formado por romanos e visigodos deteve-o na zona aberta da planície dos Campos Cataláunicos em 451 d. C.
Os aliados romano-godos (liderados por dois antigos inimigos, o general romano do imperador Valentiniano III, Flávio Aécio, e o rei dos visigodos Teodorico I), onde se incluíam de igual modo tribos germânicas como os francos e os burgúndios, combateram um exército formado maioritariamente por hunos, que incluía também aliados germânicos e ostrogodos, há 80 anos sob domínio huno.
Aécio colocou as suas tropas pessoais à esquerda da frente de combate, os visigodos à direita e os aliados de circunstância ao centro, a zona típica de ataque de Átila. As forças hunas foram rapidamente cercadas e derrotadas. Contudo, a oportunidade de aniquilar definitivamente os hunos, perseguindo-os, não foi aproveitada pelo general romano, que rapidamente se apressou a sugerir o retorno imediato a Tolosa do filho do velho Teodorico I, morto durante a batalha, para que este não retirasse dividendos da vitória e inicia-se uma guerra civil no seio dos visigodos, com o intuito de os manter afastados das fronteiras do império. Átila pôde reorganizar-se e em 452 d. C. invade a Itália.
Como referenciar: Porto Editora – Batalha dos ""Campos Cataláunicos"" na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-09-25 01:57:25]. Disponível em