Benjamin Rush

Médico, abolicionista e ativista político e social norte-americano, nasceu a 24 de dezembro de 1745, em Byberry, na Pensilvânia, e faleceu a 19 de abril de 1813, na Filadélfia.
Em 1760, formou-se como médico assistente pelo College of New Jersey, atual Universidade de Princeton, e como médico pela Universidade de Edimburgo, em 1768. Depois de ter estado em Londres e em Paris, regressou a Filadélfia e tornou-se docente de Química no College of Philadelphia.
Benjamin Rush foi um homem politicamente ativo, tendo trabalhado com John Adams e Thomas Jefferson. Nesse período, Rush apelou ao escritor Thomas Paine que escrevesse sobre a importância da independência da América, o que deu origem ao panfleto Common Sense. Em 1776, em representação do estado da Pensilvânia, frequentou o Congresso Continental e assinou a Declaração da Independência. Em 1777, durante a Guerra da Independência, participou como general-cirurgião no Exército Continental, mas devido a desentendimentos com o médico William Shippen, resignou ao posto. Rush fez também parte da campanha designada a Conway Cabal que pretendia a retirada do general George Washington, dada as suas várias derrotas durante a guerra. O General perdendo confiança em Rush retirou-o das atividades de guerra, e o médico mais tarde declarou-se arrependido das ações tomadas contra Washington e tornou-se seu grande apoiante. Em 1789, Benjamin Rush participou na Convenção Estatal da Pensilvânia, onde ratificou a nova Constituição americana e, entre 1797 e 1813, foi tesoureiro da Casa da Moeda dos Estados Unidos. Em 1792, retomou as funções de docente nos institutos de medicina e de prática clínica da Universidade da Pensilvânia. Foi bastante popular como professor e ficou ainda conhecido pelos trabalhos desenvolvidos na área da psiquiatria (especialmente pela reforma em todos os hospícios), pela fundação da primeira sociedade americana antiescravatura, pela criação do primeiro dispensário gratuito dos Estados Unidos, em Filadélfia (1786), pela sua colaboração na fundação do Dickinson College, em Carlisle. Durante a epidemia da febre-amarela, em 1793, Rush causou alguma controversa ao defender não só a purificação do ambiente envolvente, como também a sangria e purgação dos doentes.
Dos trabalhos publicados, salienta-se Syllabus of a Course in Lecture in Chemistry (1770), Medical Inquiries and Observations (1794-1798, 5 volumes), Essays, Literary, Moral and Philosophical (1798) e Medical Inquiries and Observations upon the Diseases of the Mind (1812).
Em sua homenagem, antigos alunos criaram o Rush Medical College (1837), em Chicago, e o seu retrato figura no emblema da Associação Americana de Psiquiatria.
Como referenciar: Benjamin Rush in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-22 10:48:44]. Disponível na Internet: