Bernardo Sassetti

Pianista clássico português, Bernardo Sassetti nasceu em junho de 1970, na cidade de Lisboa, e faleceu a 11 de maio de 2012. Iniciou os seus estudos de piano clássico aos nove anos com a professora Maria Fernanda Costa e, mais tarde, com o professor António Menéres Barbosa, tendo frequentado também a Academia dos Amadores de Música. Dedicou-se ao jazz, estudando com Zé Eduardo, Horace Parlan e Sir Roland Hanna. Em 1988 começou a tocar profissionalmente em concertos e clubes locais com o quarteto de Carlos Martins e o Moreiras Jazztet, e também com músicos tais como Al Grey, John Stubblefield, Frank Lacy e Andy Sheppard. Desde aí, o músico tem tocado por todo o mundo, ao lado de grandes nomes como Eddie Henderson, Paquito D'Rivera e com o quinteto de Guy Barker, entre outros. A colaboração com este ensemble no disco "Into The Blue", editado pela Verve, seria nomeado para os Mercury Awards do ano de 1995, como um dos dez melhores álbuns do ano.
Do trabalho de composição de Sassetti salientam-se diversas suites de piano, como as peças "Ecos de África", "Sons do Brasil" e "Mundos". O primeiro trabalho de Sassetti a solo, e assumindo o protagonismo central, "Salsetti", surgiu em 1994, na companhia de Paquito D'Rivera. O segundo trabalho, lançado pela Polygram, recebeu o título "Mundos" (1996). Em 1997 participou no terceiro álbum do trompetista Guy Barker, acompanhado pela London Philarmonic Orchestra e cujo convidado especial era o cantor Sting. "Noturno", outro registo de Sassetti a solo, chegou às lojas em 2002, editado pela Clean Feed e foi distinguido com o prémio Carlos Paredes.
A fama internacional do pianista foi crescendo gradualmente graças ao envolvimento em digressões pela China e em atuações nos EUA. A colaboração com a sétima arte também tem feito parte da atividade de Sassetti. A esse nível, merecem destaque a gravação, com o ator Matt Damon, do tema "My Funny Valentine" para o filme O Talentoso Mr. Ripley (1999), de Anthony Minghella, e outros trabalhos de composição de músicas originais para filmes ou documentários tais como: Facas e Anjos (2000), de Eduardo Guedes; Maria do Mar (1930), de Leitão Barros, sob encomenda da Cinemateca Portuguesa em 2000; As Terças da Bailarina Gorda (2000), uma curta-metragem de Jeanne Waltz; Quaresma (2003), de José Álvaro Morais; Noite em Branco (2003), um documentário de Olivier Blanc; A Costa dos Murmúrios (2004), de Margarida Cardoso; e Alice (2005), de Marco Martins.
Participou ainda, como solista, no filme Pax (1994), de Eduardo Guedes, e na curta-metragem Bloodcount (1999), de Bernard McLoughlan.
Da extensa lista de participações em discos de outros músicos destacam-se diversas edições, quer como acompanhante quer como compositor: "Dumdumbanza" e "Tibiri Tabara" da Orquestra Cubana Sierra, "Impressões" e "Olhar" de Carlos Barreto, "Cumplicidades" de Luís Represas, "Into The Blue", "Timeswing" e "What Love Is" de Guy Barker, "Desafinados" dos Tetvocal, "Jamaica By Night" de Andy Hamilton, entre muitos outros.
Em 2003, o pianista juntou-se a Mário Laginha para a gravação de um disco conjunto que representava as sinergias musicais entre os dois pianistas cujas carreiras tiveram vários pontos de contacto, experimentados pela primeira vez em 1999, por ocasião do festival "Jazz Em agosto", onde tocaram juntos a convite da Fundação Calouste Gulbenkian. A edição de autor mereceu o título "Mário Laginha & Bernardo Sassetti". Da discografia de Bernardo Sassetti fazem ainda parte os álbuns "Noturno" (2002), "Índigo" (2003) e "Ascent" (2005).
Como referenciar: Bernardo Sassetti in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-09-18 12:27:38]. Disponível na Internet: