betatrão

Um betatrão consiste num acelerador circular de partículas para a produção de eletrões de elevada energia.
O princípio de funcionamento do primeiro acelerador de eletrões foi idealizado em 1928 pelo físico suíço de origem norueguesa Rolf Wideröe. No entanto, o primeiro betatrão operativo só foi construído em 1940, pelo físico norte-americano Donald William Kerst.
Neste tipo de acelerador de partículas o seu elemento básico é um transformador gigantesco, com uma bobina primária, um tubo cilíndrico toroidal onde se realiza um vazio elevado e por onde são introduzidos os eletrões lateralmente, utilizando-se um campo magnético crescente no tempo.
Os eletrões ficam assim altamente acelerados atravessando uma fina lâmina metálica antes de saírem do aparelho.
Estes podem ser utilizados para irradiação de diferentes materiais
Como o betatrão atua como um transformador de corrente alterna, o campo de aceleração muda alternadamente os seus polos. Imediatamente antes de se dar a mudança, o feixe de eletrões de elevada energia dirige-se para fora do tubo de vazio, em direção ao seu alvo.
Os eletrões com energias da ordem dos 50 MeV produzem, ao chocar, raios X muito energéticos, radiações que se utilizam em medicina ou no estudo dos materiais.
Como tal, o betatrão possui um papel importante em medicina, para o tratamento de tumores, uma vez que a ação destruidora dos eletrões se pode concentrar numa reduzida zona do corpo humano, ao contrário dos raios X.
Como referenciar: Porto Editora – betatrão na Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora. [consult. 2021-12-03 13:19:34]. Disponível em