Artigos de apoio

Betty Boop
Personagem do cinema animado, foi concebida nos Estúdios de Animação Fleischer Brothers em 1930, nos Estados Unidos da América.
O primeiro filme onde apareceu foi Dizzi Dishes, estreado a 8 de setembro de 1930, com os desenhos a serem feitos por Grim Natwick e Max Fleisher, seguindo-se Barnacle Bil e Mysterious Mose, ambos estreados no mesmo ano.
De início esta cantora de cabaré era a namorada de Bimbo, um pequeno cão cujos curtos filmes de animação tinham granjeado sucesso, pelo que nessa altura tinha um ar canino. As orelhas de cão acabaram por ser trocadas pelas argolas douradas, evoluindo para a imagem que a imortalizou: vistosa e maliciosa, com grandes e pestanudos olhos, usando vestidos justos e muito curtos, de modo a mostrar a famosa liga e falando com uma vozinha muito doce. Todos se rendiam a esta femme fatale que se tornou num ícone feminino, antes mesmo de Marylin Monroe, tendo ficado famoso o seu clássico "Boop-oop-a-doop!".
Os seus filmes tinham uma importante componente musical, em grande parte com Jazz, registando-se a participação de nomes importantes como Maurice Chevalier ou o inigualável Louis Armstrong.
Esta primeira vamp do cinema animado foi inspirada na atriz Helen Kane e os seus desenhos animados foram muito populares durante os anos 30 do século XX, tendo Betty Boop sido utilizada para diversos produtos derivados. Mas a censura não gostou de uma personagem que mudava de amores em cada episódio e, em 1939, Max Fleisher interrompeu a produção das suas curtas metragens.
Teve, muitos anos depois, breves aparições: num musical especial para a televisão CBS, The Romance of Betty Boop, de 1985, no famoso filme Who Framed Roger Rabbit? (Quem Tramou Roger Rabbit?), de 1988 e num desenho animado especial, de 1997.
Em 1934 foi adaptada à banda desenhada, começando-se a publicar a partir de 23 de julho na imprensa quotidiana, sob desenho de Bud Counihan, inicialmente atribuido a Max Fleisher. No ano seguinte, passou a publicar-se também uma prancha dominical, sendo a distribuição feita pela King Features Syndicate.
Em 1938 Betty Boop interrompeu a sua passagem pela imprensa devido aos efeitos sentidos por uma censura púdica, regressando apenas em 1984, com o nome de Betty Boop and Felix, uma BD realizada pelos irmãos Walker (filhos de Mort Walker, célebre autor de BD), cuja publicação durou apenas até 1988.
O Festival de BD de Hyères (França) atribui em cada edição os Prémios "Betty Boop" em diferentes categorias, em homenagem a esta célebre personagem.
Como referenciar: Betty Boop in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-11-23 13:21:02]. Disponível na Internet: