Betty Williams

Pacifista irlandesa, nascida a 22 de maio de 1943, em Belfast, na Irlanda do Norte, ganhou em 1976 o Prémio Nobel da Paz, juntamente Mairead Corrigan, ambas fundadoras da Community of Peace People, organização destinada a promover uma solução pacífica do conflito irlandês.
Betty Williams nasceu no seio de uma família católica, embora tivesse um avô judeu e o pai fosse protestante. Estudou numa escola católica e depois numa comercial, onde veio a trabalhar como rececionista. Betty Williams ingressou no IRA (Irish Republican Army - Exército Republicano Irlandês), mas abandonou o movimento independentista logo no ano seguinte, depois de ter presenciado o assassinato de um polícia britânico. Rezou junto do agente abatido e acabou por ser criticada pelos vizinhos católicos por considerarem que demonstrou simpatia pelo inimigo. A 10 de agosto de 1976, presenciou a morte de três crianças católicas, atropeladas por um carro desgovernado conduzido por um membro do IRA abatido pela polícia britânica. Em apenas dois dias, Betty Williams recolheu seis mil assinaturas para uma petição pela paz na Irlanda do Norte. Entretanto, juntamente com Mairead Maguire, tia das crianças, fundou a organização Women for Peace, que viria a dar origem à Community for Peace People. Betty e Mairead organizaram uma marcha pela paz, contestada pelo IRA, na qual participaram dez mil mulheres, protestantes e católicas. Na semana seguinte, foi organizada uma nova marcha, que juntou 35 mil participantes. A 14 de agosto, juntamente com a jornalista Ciaran McKeown, fundaram então a Community for Peace People. Ainda em 1976, Betty Williams, tal como Mairead Maguire, recebeu o Prémio Nobel da Paz. Em 1982, mudou-se para os Estados Unidos da América e percorreu o país para proferir palestras. Começou também a dar aulas como professora convidada em diversas universidades norte-americanas e apareceu envolvida em organizações de apoio a crianças e a minorias. Em 1993, integrou uma comitiva que, em vão, tentou entrar em Myanmar para protestar contra a detenção da líder política da oposição ao governo Aung Suu Kyi, que também tinha sido galardoada, em 1991, com o Prémio Nobel da Paz.
Posteriormente à conquista do Prémio Nobel, em 1976, Betty Williams ganhou também o Prémio Martin Luther King, Jr e o Prémio Eleanor Roosevelt, ambos nos Estados Unidos da América, assim como a Medalha da Coragem Schweitzer e o Prémio de Amizade do Rotary Club International. Paralelamente, é madrinha da Fundação pela Paz Mundial, sediada em Viena, e pertence à Comissão de Honra da Universidade pela Paz das Nações Unidas.
Como referenciar: Betty Williams in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-12 03:05:18]. Disponível na Internet: