Artigos de apoio

Bill Viola
Artista plástico norte-americano, Bill Viola nasceu em 1951 em Nova Iorque. Iniciou os seus estudos superiores em 1969 no College of Visual and Performing Arts da Universidade de Syracuse, Syracuse, Nova Iorque, licenciando-se em 1973.
Entre 1974 e 1983 trabalhou como diretor de produção técnica em dois estúdios, um em Florença, outro em Nova Iorque, e durante este período viajou frequentemente para o Pacífico Sul, Indonésia, Austrália, Tunísia e Índia.
Bill Viola é amplamente reconhecido como o principal artista de vídeo da cena internacional. Desde 1972 criou vídeos, instalações videoarquitectónicas, ambientes sonoros, performances musicais eletrónicas, e trabalhos para a televisão. As suas instalações vídeo - ambientes que envolvem o observador em imagem e som - são realizadas com alta tecnologia e distinguem-se pela sua precisão e simplicidade direta.
Desde o início da década de 1970 Viola usou o vídeo para explorar o fenómeno da perceção sensorial como um caminho para o autoconhecimento. Claramente de acordo com o cinismo da sua geração, os seus trabalhos focam as experiências universais humanas - nascimento, morte, a manifestação da consciência - e têm raízes tanto na arte de Leste como do Oeste, assim como no sofismo islâmico, misticismo cristão, e budismo zen. Viola tem sido um instrumento essencial no estabelecimento do vídeo como forma vital da Arte Contemporânea.
Bill Viola representou os Estados Unidos na 46.a edição da Bienal de Veneza em 1995 com uma exposição intitulada Buried Secrets.
Em 1997, o Whitney Museum of American Art organizou a exposição "Bill Viola: A 25-Year Survey" que itinerou pelos Estados Unidos e Europa entre 1997 e 2000.
Trabalha no estúdio em Long Beach, Califórnia, onde vive com a sua esposa e manager Kira Perov e os seus dois filhos.
Como referenciar: Bill Viola in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2017. [consult. 2017-05-25 07:54:59]. Disponível na Internet: