Bishkek


Aspetos Geográficos
Cidade e capital do Quirguistão, Bishkek situa-se no vale do rio Chu, na parte norte dos montes Ala-Too, que são uma extensão da cordilheira Tien Shan. Encontra-se a 800 metros de altitude, com a cordilheira Tien Shan a servir de espetacular cenário de fundo para a cidade. Possui cerca de 900 000 habitantes (2005), sendo a única grande cidade do país.

História e Monumentos Originalmente era um local de descanso para as caravanas que percorriam a rota da seda através da cordilheira Tien Shan, tendo sido fundada pelos usbeques em 1825 como cidade fortificada. Em 1862, foi conquistada pela Rússia czarista, que a desenvolveu e renomeou Pishpek em 1877, encorajando cidadãos russos a instalarem-se na mesma. Em 1926, tornou-se a capital da república autónoma da Quirguízia, integrante da URSS, com o nome de Frunze, em homenagem a Mikhail Frunze, líder militar bolchevique nascido na cidade e elemento importante nas revoluções de 1905 e 1917, assim como na guerra civil russa do início dos anos 20. Em 1991, com a desagregação da União Soviética e a independência do Quirguistão, a cidade passou a chamar-se Bishkek e a ser a capital oficial do país. Entre os seus principais monumentos, destacam-se o principal edifício governamental, a Casa Branca, um gigante bloco de mármore que funcionou como quartel-general do Partido Comunista da Quirguízia; diversas estátuas de Lenine, a maior das quais situa-se num parque em frente ao parlamento; e a estátua equestre de Mikhail Frunze.

Aspetos Turísticos e Curiosidades
Em quirguistanês, Bishkek é um recipiente usado para fazer kumis, a bebida nacional. Bishkek é uma cidade de amplas avenidas e de edifícios públicos marmoreados que se combinam com numerosos blocos de apartamentos de estilo arquitetónico soviético. É moderna e atraente, especialmente no verão, quando milhares de árvores lhe proporcionam cor e sombra. Apesar de ser relativamente recente, os arredores da cidade possuem locais de interesse que vão até ao período pré-histórico. Destacam-se ainda: o Museu Histórico, situado na praça principal da cidade; o Museu Estatal de Artes Aplicadas, que mostra diversos exemplos do artesanato tradicional do país; a Casa-Museu Frunze; a estação de comboios, construída em 1946 por prisioneiros de guerra alemães; o Monumento à Independência, na Praça Ala-Too, onde pode ser observado também o render da guarda; o Monumento aos Mártires da Revolução, ocupando uma praça inteira; e ainda diversas estátuas (de Lenine, de Ivan Panfilov ou de Mikhail Frunze), a maioria das quais situadas nos seus diversos parques.


Economia
É uma cidade em crescimento rápido, repleta de restaurantes, cafés e automóveis europeus e japoneses. Durante o período soviético albergou inúmeras unidades industriais, mas a maioria foi fechada ou labora agora numa escala mais reduzida. Destacam-se, a nível industrial, os curtumes, a maquinaria agrícola e os têxteis. Bishkek encontra-se ligada ao sistema ferroviário do Turquestão-Sibéria. Para além das importantes funções administrativa e comercial, a cidade tem também uma importante função cultural e um assinalável desenvolvimento turístico.
Como referenciar: Bishkek in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-04-24 19:04:23]. Disponível na Internet: