Bricriu

Também chamado Bricriu Nemthenga ("Bricriu da língua venenosa") era um senhor do Ulster. O seu nome reflete o profundo amor pelo desacordo, que tentava semear ajudado por vezes por um demónio chamado "O Terrível", causando antagonismos entre os guerreiros. Pôs em conflito Cu Chulainn e a Fação Vermelha dos heróis da Irlanda, afirmou que devia ser ele a cortar o porco de Mac Dathó pois tinha sido o mais intrépido na guerra constante que se dava na fronteira entre Connacht e o Ulster e sugeriu aos guerreiros destas duas províncias que deviam comparar a sua perícia nas armas. Na sua festa desafiou os mais corajosos guerreiros do Ulster, Cu Chulainn, Loegaire Buadach e Conall Cernach, a ultrapassarem uma série de provas arbitradas por Cu Roi mac Daire para que se demonstrasse qual deles era merecedor da "porção do herói" (a melhor parte do animal assado para o banquete) e de se sentar à direita de Conchobar, acabando por vencer Cu Chulainn. Este foi o único que se atreveu a cortar a cabeça do demónio "O Terrível" e de a colocar no cepo, pelo que foi proclamado campeão da Irlanda. A referência mais antiga conhecida desta festa, pertencente ao Ciclo do Ulster, data do século VIII d. C. Neste Ciclo Bricriu é chamado de Thersites. A história da festa é heroica mas também anedótica, como se pode verificar no facto de Bricriu apenas ter conseguido convidados porque ameaçou virar as mulheres do Ulster umas contra as outras (tinha antes ameaçado também virar mãe contra filha e pai contra filho mas não resultou) e de ninguém o reconhecer quando entrou em sua casa depois de ter caído num monte de lixo e lama.
O episódio do decepamento da cabeça, uma das provas pela qual apenas Cu Chulainn conseguiu passar, tem raízes num ritual efetuado no Ano Novo ou Samuin na presença da deusa Terra e encontra-se também num conto mais tardio intitulado Sir Gawain and the Green Knight.
O relato da "Festa de Bricriu" inspirou a peça de teatro The Green Helmet do britânico Paul Yeats.
Como referenciar: Bricriu in Artigos de apoio Infopédia [em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2019. [consult. 2019-11-20 16:53:59]. Disponível na Internet: